Arte & Lazer, Cinema

‘Versões de um Crime, com Keanu Reeves, é eletrizante

Foto: DivulgaçãoQuem é fã de tramas de tribunal, do tipo que devora livros de John Grisham, pode entrar tranquilamente no cinema. “Versões de um Crime” é eletrizante. Um quebra-cabeças eficiente até o final, com idas e vindas na história.

As cenas do julgamento de um adolescente acusado de matar o pai são complementadas por flashbacks. Mas estes nem sempre estão na tela para ajudar a esclarecer as coisas. O título brasileiro cai bem. São várias versões de um crime, que fazem o espectador mudar muitas vezes seu palpite sobre o caso.

O título original, “The Whole Truth”, toda a verdade, parece brincadeira. Em “Versões de um Crime”, algumas reviravoltas no enredo dão a impressão de que todo mundo está mentindo. Ninguém facilita a vida do advogado Richard Ramsey.

No papel principal, Keanu Reeves se sai bem. No lugar de um personagem de ação, os quase super-heróis que ele habitualmente interpreta em franquias como “Matrix” e “John Wick”, aqui o ator entendeu logo que menos é mais. Seu desempenho é contido, denso. Ramsey pisa em ovos ao avançar na apuração do que aconteceu com o garoto, filho de uma amiga, Loretta (Renée Zellweger).

O rapaz, prestes a ir para a prisão por matar o próprio pai, não colabora com o advogado, que precisa sair catando as peças para montar a fotografia completa do caso. Os primeiros dois terços do filme focam essa investigação. Não há nenhum momento aborrecido, o ritmo da narrativa é rápido e o julgamento pode ser assistido com um balde de pipoca no colo. Entretenimento bem realizado, envolvente.

No terço final, “Versões de um Crime” tenta arrematar a história com grandes surpresas. Aí chega a hora do espectador decidir se “compra” ou não a solução final. Porque as coisas tomam um rumo impressionante com o que é descoberto por Ramsey.

A tensão cresce e a conclusão é surpreendente. Um bom trabalho da diretora Courtney Hunt, apenas seu segundo longa (o primeiro, de 2008, é o drama “Frozen River”).

Com dois filmes muito bons hoje em cartaz no Brasil, “Versões de um Crime” e “John Wick – Um Novo Dia para Matar”, daqui a pouco Keanu Reeves vai acabar trocando a carteirinha de canastrão por uma de ator de verdade. (Thales de Menezes)

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*