Editorias, Notícias, Veículos

Versão Freedom é a mais equipada com cabine simples da picape Fiat Strada

Versão Freedom é a mais equipada com cabine simples da picape Fiat Strada
Frente elevada e capô vincado ressaltam a robustez da nova Strada, enquanto os faróis afilados reforçam o estilo imponente e a linha de cintura ascendente destaca as caixas de roda quadradas. Fotos: Luiza Kreitlon/AutoMotrix

LUIZ HUMBERTO MONTEIRO PEREIRA
AutoMotrix

Quando a atual geração da Strada chegou às concessio­nárias totalmente renovada, em julho do ano passado, já liderava o segmento brasileiro de picapes compactas há mais de duas décadas, com 60% de participação. O que mais haveria para conquistar? Pois a nova geração da picape da Fiat não só manteve a liderança em seu segmento como “beliscou” a inédita liderança das vendas gerais de automóveis, em setembro do ano passado, com 11.873 emplacamentos, su­til vantagem sobre os 11.710 do Onix no mesmo período. No restante do ano, o hatch da General Motors voltou a liderar com folga e terminou como líder, pelo sexto ano seguido.

Em 2021, o Onix foi o mais vendido em janeiro e fevereiro, mas a crescente falta de compo­nentes levou à paralisação da fábrica de Gravataí (RS), onde é produzido, no início de março – o que deve durar até maio. Ao contrário do Onix, as vendas da Strada subiram mês a mês este ano e a picape disparou na liderança geral de vendas em março. Com as 10.268 unidades emplacadas no terceiro mês do ano, abriu larga vantagem sobre o Onix, que teve 7.933 exemplares vendidos.

É uma diferença tão ampla que deu à picape produzida em Betim (MG) a liderança geral das vendas de carros em 2021. Foram emplacadas 28.869 Stra­­­da no primeiro trimestre e 28.759 Onix no mesmo período. São só 110 unidades de fren­te, mas valem o posto de carro mais vendido do ano até aqui.

O design certamente embalou o sucesso da nova Strada. A frente elevada e o capô vincado ressaltam a robustez e os faróis afilados reforçam o estilo imponente. A linha de cintura ascendente destaca as caixas de rodas quadradas, e as lanternas assimé­tricas avançam pelas laterais.

Porém, a explicação para a ascensão da nova Strada ao pódio dos líderes de vendas normalmente restrito aos hatches está mais ligada às razões merca­dológicas. Juntamente com a nova geração, a Strada apresentou a inédita configuração cabi­ne dupla com quatro portas e homologada para cinco pessoas. Disponível em três opções de acabamento (Endurance, Freedom e Volcano), essa configuração permitiu à Strada brigar por consumidores que normalmente optariam pelos hatches para po­der levar cinco pessoas. Na versão de cabine dupla, a caçamba da picape leva 844 litros/650 kg.

Contudo, para quem precisa de caçamba maior e não necessita levar tanta gente, existe a configuração Cabine Plus, para duas pessoas, anteriormente cha­mada de cabine estendida. Com capacidade para 1.354 litros/ 720 kg de carga, essa carroceria para dois passageiros é oferecida nas versões Endurance e Freedom. Tal diversidade de opções é um dos grandes trunfos da Strada.

Em termos de conjunto motor-câmbio, as versões de entrada Endurance da Strada são equipadas com o 1.4 Fire, que gera potência de 88 cavalos a 5.750 rpm (etanol) e 85 cv a 5.750 rpm (gasolina). Seu torque é de 12,4 kgfm com gasolina e 12,5 kgfm com etanol, ambos a 3.500 rpm.

A partir da versão Freedom até a top de linha Volcano, a Strada dispõe do motor 1.3 Firefly de quatro cilindros também presente no Argo, com 109 cv a 6.250 rpm e 14,2 kgfm de torque com etanol. Com gasolina, são 101 cv a 6 mil rpm e torque de 13,7 kgfm a 3.500 rpm.

A transmissão é manual de cinco marchas – não há opção automática. Provavelmente ain­da este ano, a picape receberá os novos motores Firefly com turbocompressor, injeção direta de combustível e controle eletrônico das válvulas de admissão.

Se a versão Endurance é bastante despojada e voltada para o trabalho, a Freedom vai além do óbvio em termos de equipamentos e se presta melhor ao lazer. Traz direção com assistência elé­trica, sensor de pressão dos pneus, volante multifuncional, retrovisores elétricos, painel de instrumentos TFT de 3,5 polegadas, capota marítima, indicador de troca de marcha, faróis de neblina e rodas de liga leve.

A Strada Freedom Cabine Plus, a mais equipada com cabine simples, é bastante procurada por praticantes de esportes ra­di­cais, que precisam transportar motocicletas, bicicletas ou pranchas. Seu preço começa em R$ 78.390, na cor sólida Preto Volcano. As cores sólidas Branco Bachisa e Vermelho Montecarlo (a do mo­delo testado) encarecem o modelo em R$ 900 e as metálicas Cinza Silverstone e Prata Bari aumentam o preço em R$ 2.300.

Como opcionais, são oferecidos o protetor de cárter (R$ 210), Pack Tech (multimídia Uconnect de sete polegadas com tela touchscreen e conectividade sem fio com Apple CarPlay e Android Auto, tweeters, segunda entrada USB, controles de áudio no volante e câmera de ré, por R$ 3.050) e Pack Safety (airbags laterais e alerta de uso do cinto de segurança do passageiro, R$ 2.050). Com todos os opcionais e na cor avaliada, a Strada Freedom Ca­bine Plus custa R$ 84.600.

Proposta abrangente

Apesar de ter sua substitui­ção pelos novos motores turbo Firefly prevista para este ano, o atual 1.3 Firefly de quatro cilindros aspirado, com 109 cv de potência e 14,2 kgfm de torque (com etanol), não faz feio e entrega boa desenvoltura à Strada Freedom Cabine Plus. No uso urbano, a picape é um veículo dócil. Sua direção eletricamente assistida torna fácil manobrar e ganha rigidez quando a velocidade aumenta. O câmbio manual de cinco marchas mantém o padrão dos compactos recentes da Fiat: é um tanto mo­le e de curso longo. Uma sexta marcha seria bem-vinda.

Dinamicamente, a Strada tem comportamento simi­lar ao de sedãs compactos. Quase não se nota aquela traseira um tanto “solta”, comum às picapes de tração dianteira com caçamba vazia – evidentemente, o compartimento de carga carregado ajuda a “assentar” mais o veículo nas curvas rápidas. A suspensão é elevada, sendo que a traseira tem eixo ômega e molas parabólicas longitudinais, permitindo à picape se comportar dignamente em qualquer piso e com diferentes níveis de carga.

Nas trilhas ou estradas mais maltratadas, a plataforma MPP entrega razoável nível de conforto e boa dirigibilidade. Colaboram nesse sentido equipamentos co­mo controle de estabilidade, as­sistente de partida em rampa e o controle de tração avançado E-Locker (TC+), sistema voltado para situações em terreno escorregadio. Ao acionar a tecla TC+, o sistema transfere mais torque para a roda com maior contato no solo por meio do diferencial para vencer os obstáculos do off-road. O mesmo TC+ ativa o ABS Off-Road, calibração que aprimora o comportamento de frenagem da Strada em superfícies deformáveis (areia, terra, brita e neve).

A BORDO

Dentro da Strada Freedom Cabine Plus, tudo é simples, mas funcional. Os plásticos duros dominam todo o painel e as portas. O volante tem regulagem de altura, mas não de profundidade. Há lugares específicos para celulares, garrafas, latas e outros objetos pessoais. Os dois para-sóis têm espelhos e há luz de leitura.

A versão avaliada trazia um opcional importante: a central multimídia Uconnect de sete polegadas, que agrega funções como navegação via Waze e Google Maps, reconhecimento de voz e leitura e resposta handsfree para SMS e WhatsApp.

O espaço atrás dos bancos permite levar volumes pequenos. Porém, a maior atração para quem busca a Strada Cabine Plus está fora da cabine: é a caçamba para 1.354 litros e 720 kg. O espaço tem 1,71 metro de comprimento – a das versões com cabine dupla tem apenas 1,17 m. Supera a da Toro em volume, mas não em capacidade de carga – a da Toro carrega 1.054 litros e uma tonelada.

Na Freedom Cabine Plus, a caçamba vem com capota marítima, ganchos para amarração, luz de iluminação e grade de prote­ção no vidro traseiro.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*