Política-ABC, São Caetano do Sul, Sua região

Vereadora de São Caetano, Suely Nogueira diz que publicação de pré-candidato tornou sua vida um terror

Na ação, Suely e seu marido solicitam reparação por injúria e calúnia. Foto: Divulgação

Vereadora de São Caetano e seu marido entraram com ação contra Mario Bohm

A vereadora de São Caetano Suely Nogueira (Podemos) e seu marido, Nilton Ferreira, entraram com ação por calunia e difamação contra o pré-candidato a prefeito no município, Mario Bohm (Novo). Segundo a parlamentar, Bohm publicou nas redes sociais informações referentes ao salário do seu marido “com a finalidade de confundir a população e ser beneficiado politicamente”.

“Depois da publicação, as nossas vidas se transformaram em um terror. Viramos motivo de chacota. Sofremos ataques caluniosos e ofensivos de todos os lados”, destacou a vereadora.

Na ação, Suely e seu marido solicitam reparação por injúria e calúnia por informar que Ferreira era nomeado pelo Sistema de Água, Esgoto e Saneamento Ambiental (SAESA), com salário acima de R$ 30 mil mensais.

“Ele publicou uma inverdade e sofremos ataques calu­niosos e ofensivos de várias pessoas. Meu marido, Nilton Ferreira, é concursado desde 1989. Há mais de 30 anos. A divulgação realizada por este se­nhor mostrou apenas a sua função e os valores bruto e líquido de fevereiro, que foram modificados devido a duas licenças-prêmio que recebeu e estavam acumuladas ao longo dos anos”, destaca Suely Nogueira, ao ressaltar que todos os proventos do seu marido são direito adquirido por lei e não tê relação com o seu mandato.

A ação foi protocolada na 6ª Vara Cível – Foro de São Caetano do Sul. O advogado Rafael Dias afirmou que se trata de manobra política. “Se o interesse dele fosse esclarecer a população, teria de ligar para a vereadora e para seu marido. Porém, prefe­riu omitir que os valores seriam referentes a licença-prêmio acu­mulada em pecúnia. Dian­te deste cenário, buscamos a reparação devido aos danos que causou a imagem da vereadora e ao seu marido. Agora terá que se explicar na Justiça”, destacou.

A redação deixa em aberto espaço para Mario Bohm que, procurado, não retornou.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*