Últimas Notícias

Vendedores da Ceagesp ficam sem estoque e preço da batata dispara

Vendedores da Ceagesp tiveram que fechar as portas por falta de mercadoria nesta quinta-feira (24), após quatro dias da paralisação de caminhoneiros. Os que permaneceram abertos tinham pouco ou nenhum estoque, e ainda se queixavam dos preços, que dispararam desde o início da semana.

Sócia de um box, Rita Barbosa falava sobre os sacos de cebola e batata. “Na segunda, eu vendi o saco de batata entre R$ 70 e R$ 100, dependendo da qualidade. Agora está entre R$ 120 e R$ 200. A cebola passou de R$ 60 para R$ 90. A gente precisa implorar para o transportador mandar, aí eles sobem o preço”.

O administrador Marcio Santos, 23, que vende frutas em um box no local, disse não vai abrir o negócio na sexta (25). “Não tem como trabalhar. Desde segunda que não chega carga e o estoque acabou ontem”, conta ele, que ainda pode perder dois carregamentos de mamão que estão parados na estrada.

Segundo a Ceagesp, a batata lavada foi o produto com maior aumento de preço: 95%. Por outro lado, alguns alimentos tiveram queda no valor, como o limão taiti, -20%.

Apesar dos prejuízos, muitos trabalhadores e donos de comércios no Ceagesp apoiam a paralisação. “Acho ruim a greve, estou muito preocupado, mas apoio. “Eles estão reivindicando o que é certo. O diesel está caro há muito tempo”, conta Santos.

Os comerciantes defendem que o valor do combustível aumenta o preço da mercadoria e prejudica os negócios. “Acho ruim a greve, estou muito preocupado, mas apoio a paralisação. O governo precisa tomar uma atitude”, afirma Mateus Nunes, que vende frutas. Ele já estava com o estoque zerado na tarde desta quinta.

Para o vendedor Manuel Basili, 43, a greve é “um investimento futuro”. “No prejuízo a gente já está, com o preço do frete tão alto. A gente não consegue repassar tudo pro consumidor”, afirma.
Além dos preços, os comerciantes citam uma insatisfação geral com a economia. “Lembra daquele negócio: ‘não é só os 20 centavos’? É a mesma coisa”, diz o dono de uma distribuidora de hortifrúti, Marcos Esteves, 43, que comprava cebolas no Ceagesp.

A Ceagesp afirmou, em nota, que a formação dos preços na companhia é baseada na lei de oferta e demanda, o que faz com que o preço de alguns produtos que se encontram escassos aumente.  Diz ainda que todas as unidades vão funcionar normalmente na sexta, com portões abertos, cabendo ao permissionado decidir sobre suas operações.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*