Brasil, Editorias, Notícias

Uma a cada quatro mulheres foi vítima de violência no último ano

Em contrapartida, na comparação a 2019 há queda de 29% para 19% da violência nas ruas. Foto: Marcello Casal/Agência Brasil
Em contrapartida, na comparação a 2019 há queda de 29% para 19% da violência nas ruas. Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

Em meio à pandemia de covid-19 no Brasil, uma a cada quatro mulheres a partir dos 16 anos afirma ter sido vítima de algum tipo de violência nos últimos 12 meses, segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira (7) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O levantamento também aponta que o país registrou, em média, oito mulheres agredidas fisicamente por minuto.

Os dados integram a terceira edição da pesquisa quantitativa “Visível e Invisível – A vitimização de mulheres no Brasil”, realizada a cada dois anos pelo Instituto Datafolha, a pedido do Fórum, que desta vez teve financiamento da Uber. O balanço reuniu 2.079 entrevistas feitas em 130 municípios de pequeno, médio e grande porte, entre os dias 10 e 14 de maio.

Segundo o levantamento, 24,4% das participantes relataram ter sofrido violência no último ano – o que equivaleria a cerca de 17 milhões de mu­lheres no Brasil. Comparado à edição anterior, o resultado manteve-se estável, apesar de ter crescido a percepção de que a violência de gênero aumentou no período. Em 2019, a prevalência indicada foi ligeiramente maior, de 27,4%, mas a diferença está dentro da margem de erro de três pontos porcentuais da pesquisa.

Uma das hipóteses para explicar esse empate técnico passa por entender como a crise sanitária impactou no contexto das mulheres. “Em comparação a 2019, há uma queda de 29% para 19% da violência praticada nas ruas, mas ao mesmo tempo subiu de 42% para 49% nos domicílios”, analisa Samira Bueno, diretora-executiva do Fórum e uma das cinco pesquisadoras que conduziram o estudo. “Já aqueles casos em bar, balada, faculdade quase desaparecem agora, por causa da pandemia.”

AUTOR CONHECIDO

Em sete a cada dez ocorrências, o autor é uma pessoa conhecida – principalmente companheiros (25,4%) ou ex-companheiros (18,1%) Esta edição da pesquisa, no entanto, detectou aumento da participação de familiares, como pais, mães, irmãos e filhos, entre os agressores. “Os dados levam a crer que violência está, cada vez mais, dentro da casa das pessoas”, avalia a diretora-executiva.

Estudiosos do tema são unâ­nimes em afirmar que a vio­lência contra mulheres tende a acontecer em escalada. Via de regra, inicia com ofensas no dia-a-dia e pressões psicológicas que evoluem para espancamentos ou até feminicídio.

De acordo com o levantamento, a forma mais comum é a ofensa verbal, apontada por 18,6% das entrevistadas. Pela projeção, isso totalizaria 13 milhões de mulheres que foram alvo de insultos, xingamentos ou humilhações no último ano no país.

Já 6,3%, ou o equivalente a 4,3 milhões, afirmaram ter sido alvo de agressão física, com tapas, empurrões ou chutes. Para 2,4% das brasileiras (1,6 milhão), a violência atingiu formas mais graves, como espancamentos ou tentativas de estrangulamento.

Por sua vez, 5,4% foram vítimas de ofensa sexual ou tentativa forçada de manter relação e 3,1% sofreram ameaças com faca ou arma de fogo. Esses contingentes equivalem a 3,7 milhões e 2,1 milhões, respectivamente.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*