Brasil, Editorias, Notícias

TSE não é joguete nas mãos do governo, afirma Gilmar

Mendes: “auxiliares de  Temer ficam palpitando”. Foto: ArquivoO presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, reagiu às pressões políticas que cercam a corte às vésperas do julgamento que pode cassar a chapa Dilma-Temer e afirmou que o tribunal “não é joguete nas mãos do governo”. O discurso é uma reação às informações divulgadas nos últimos dias pela imprensa de que ministros do TSE poderiam pedir vista do processo com o objetivo de dar uma sobrevida ao presidente Michel Temer.

O ministro, que também ocupa uma das 11 cadeiras do Supremo Tribunal Federal, acredita que a tese de que o tribunal eleitoral pode protelar o julgamento é repassada a jornalistas por integrantes da equipe de Temer, que, há quase duas semanas, está mergulhado na maior crise de seu governo.
Ao dar palpite indevido, afirma Gilmar, “essas fontes tumultuam um julgamento que já é dificílimo. Num julgamento complexo é normal pedir vista [mais tempo para analisar o processo]. Mas, se alguém fizer isso, não será a pedido do Palácio”.

Uma das teses de defesa do presidente é que ele poderia ganhar mais tempo -e fôlego político para aprovar medidas no Congresso– caso um dos ministros nomeados por ele, Admar Gonzaga, pedisse vista do processo.
Gilmar rebate a ideia e diz que auxiliares de Temer “ficam palpitando” como os ministros do TSE vão votar, ventilando, inclusive, a possibilidade de um pedido de vista” o que o “irrita profundamente”. “não sabem absolutamente nada do que ocorre no tribunal. Não cuidam nem sequer de seu ofício. Se fizessem isso, não estariam metidos nessa imensa crise”, disse o ministro nesta segunda-feira (29). “As fontes do Planalto são outro ramo das Organizações Tabajara, que é no que se transformou o Brasil.”

A reportagem apurou que, apesar da pressão política, Temer e seus auxiliares próximos ainda veem possível cenário de vitória no plenário do TSE, em que o placar seria de 4 votos a 3 a favor do peemedebista, sem pedido de vista. Porém, o Planalto admite que que essa não é uma conta “segura”.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*