Uncategorized

Trabalhadores da Dolly em Diadema temem pelo futuro de seus empregos

Fábrica de Diadema teve a inscrição estadual cassada em dezembro do ano passado. Foto: Comunicação/Secretaria da FazendaOs trabalhadores da Ra­gi Refrigerantes, que pro­duz as bebidas da marca Dolly e mantém operações em Diadema, estão preocupados com seus pos­tos de trabalho. A empresa foi fechada na última quinta-feira (18), na Operação Clone, realizada pe­la Secretaria Estadual da Fazenda. O grupo é acusado de fraude no recolhimento do Imposto so­bre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), obstrução à fiscalização e organização de fraude fiscal estruturada.

Nas diligências, os agentes constataram o funcionamento irregular da fábrica, apesar de a empresa estar com a inscrição estadual cassada desde dezembro de 2016.

Segundo um funcionário da empresa em Diadema, que pediu para não ser identificado, os trabalhadores foram dispensados e orientados a permanecer em casa, até segunda ordem, no último domingo (14). “Pelo que a gente viu na imprensa, a fábrica deveria estar fechada desde dezembro, mas não estava. A gente estava trabalhando normalmente”, relatou. “Só que ninguém falou nada para a gente até agora. Como fica nossa situação?”, questionou.

O funcionário relatou que todos os pagamentos estavam em dia e que não houve dispensa recente de pes­soal. “Porém, está todo mundo muito inseguro. Como a gente sabe se vai haver dinheiro para os próximos pagamentos?”, questionou o trabalhador, que também reclamou da omissão do sindicato. “Ninguém veio aqui falar com a gente.”

Procurado, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Cerveja e Bebidas em Geral rebateu as críticas. “Não é verdade que não estamos dando apoio. Soubemos, assim como todo mundo, somente agora do que está acontecendo”, afirmou o diretor sindical Renilto Batista dos Santos. “Sempre tivemos muita dificuldade para atuar na empresa. Os jornais que entregávamos mu­itas vezes não chegavam aos funcionários”, completou.

O sindicalista afirmou que todos os trabalhadores estão sendo orientados a procurar o sindicato para discutir a possibilidade de rescisão indireta. “É recomendável também que todos compareçam à Caixa Econômica Federal, para ver se o fundo de garantia estava sendo depositado”, completou.

Em nota, a empresa informou que, “por determinação da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, as unidades da Dolly precisaram suspender suas operações. A empresa ratifica que continua cumprindo as obrigações com seus colaboradores”.

Segundo a secretaria, a empresa tem cerca de R$ 2 bilhões em débitos inscritos na dívida ativa e autos de infração milionários. A Dolly alega que “foi vítima de seu escritório contábil – que, durante anos, omitiu do Fisco dados importantes, provocando des­falque milionário com falsi­ficação de sentenças, fraude de guias e documentos”.

um comentário

  1. Não foi apenas o adiantamento que a dolly não pagou. Eu sou pensionistas por um processo de divórcio referente a pensao alimentícia, e desde o dia 7 não recebi assim como todas as pensionista.
    E quando ligamos no RH, ninguém sabe, ninguém resolve e ainda somos tratadas como as malucas ex mukherem….. E aí dolly????? Como fica???

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*