Brasil, Editorias, Notícias

Temer anuncia indicação de Alexandre de Moraes ao STF

Por mensagem, Moraes avisa que seria indicado por Temer. Foto: Pedro Ladeira/FolhapressO presidente Michel Temer cedeu à pressão do PMDB e do PSDB e indicou o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, 49, para o Supremo Tribunal Federal (STF). Partidos da base do governo no Congresso pressionavam nos bastidores por indicação de alguém com trânsito político.

A escolha contrasta com as primeiras manifestações reservadas de Temer e aliados sobre o perfil que teria o substituto de Teori Zavaski, morto em um acidente aéreo no dia 19: alguém discreto, apartidário e, de preferência, integrante de tribunal superior.

A indicação foi selada na noite de domingo (5) após encontro de Temer com o ministro Gilmar Mendes, do STF, no Palácio do Jaburu. Desde o começo das discussões sobre o substituto de Teori, Mendes foi consultado. “As sólidas credenciais acadêmicas e profissionais do Doutor Alexandre de Moraes o qualificam para as elevadas responsabilidades do cargo de Ministro da Suprema Corte do Brasil”, diz a nota da Presidência.

Ao escolher Moraes, Temer levou em conta sobretudo o trânsito dele no Senado e a chance remota de correr risco na sabatina da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Casa, que precisa chancelar a indicação da Presidência. Na avaliação do Planalto, um nome sem influência política poderia correr riscos no colegiado. Moraes terá de deixar o PSDB, partido o qual é filiado, para assumir a vaga.

Ontem, em uma troca de mensagens pelo telefone celular, Moraes avisou uma pessoa, durante cerimônia no Planalto, que seria indicado pelo presidente. “Hoje, lá pelas 19h00, o presidente indicará meu nome para a vaga do Supremo Tribunal Federal. Se Deus quiser, em pouco tempo”, diz trecho digitado pelo ministro, cuja imagem foi registrada pela Folha de S.Paulo.

Para garantir a aprovação ainda em fevereiro, Temer se reuniu ontem com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e com o líder do governo no Congresso, Romero Jucá (PMDB-RR). A expectativa do Planalto é de que o nome seja aprovado na penúltima semana do mês, respeitando o prazo regimental de 15 dias entre a indicação e a sabatina.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*