Uncategorized

Serra: com cuidado, respeito e amor à vida vamos vencer a guerra contra a covid

Serra: "O maior desafio é garantir que Santo André resista à covid-19". Foto: Arquivo/Ricardo Trida/PSA
Serra: “O maior desafio deste segundo mandato é garantir que Santo André resista à covid-19”. Foto: Arquivo/Ricardo Trida/PSA

Após colocar a casa em ordem nos primeiros quatro anos de mandato, o prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), agora corre contra o tempo para salvar vidas em meio à crise sanitária que assola o mundo. Em entrevista ao Diário Regional por ocasião do aniversário do município, Serra destaca os avanços nas políticas públicas, a transformação da área da saúde e os desafios que estão à frente.

Ao analisar seu primeiro mandato e o plano de governo, ficou alguma área aquém do projetado inicialmente?

No primeiro mandato, conseguimos colocar a casa em ordem e implementar um novo modelo de gestão que qualificou o serviço público e mudou a cara da cidade. Conseguimos avançar em Infraestruturas, com o maior pacote de obras concentrado em uma única gestão, em Educação, com 10 novas creches, em Saúde, com 25 equipamentos entre­gues, além de potencializar o desenvolvimento econômico e recuperar o protagonismo de Santo André.

O sr. teve expressiva votação para este segundo mandato. Foi surpresa o número de votos? A que atribui sua recondução ao Paço?

A votação expressiva foi o reconhe­cimento da nossa gente a este novo modelo de gestão. Foi uma surpresa e ao mesmo tempo uma honra ser reconduzido com tamanha aprovação. Uma responsabilidade que assumo com muito respeito e dedicação. Nes­tes primeiros quatro anos conseguimos resgatar o orgulho do andreense em viver a sua cidade. Tiramos importantes obras do papel, resgatamos símbolos históricos e, mesmo no momento mais desafiador da nossa história, com a pandemia da covid-19, Santo André se estruturou e virou referência no combate ao novo coronavírus, com hospitais de campanha que são des­taques no mundo todo.

Em balanço dos primeiros quatro anos, quais os avanços que o sr. destaca nas áreas de saúde (antes da pandemia), desenvolvimento, mobilidade, segurança?

Santo André avançou em políticas públicas de qualidade, que transformaram a vida da nossa gente. Estamos entregando dez novas creches, com capacidade para 320 alunos. Medida que possibilitou zerar a fila por vagas. Demos um salto de qualidade na merenda oferecida aos alunos e vamos expandir o ensino integral às nossas crianças. A Saúde de Santo André foi transformada pelo programa Qualisaúde. Foram 25 equipamentos entregues modernizados, revitalizados e com aparelhagem de primeira. Um fortalecimento ao SUS que está fazendo diferença neste momento, alta demanda pelo Sistema de Saúde e de combate à pandemia.

Com as contas saneadas, conseguimos recuperar a credibilidade da cidade o que possibilitou buscar recursos para tirar importantes obras do papel, como a duplicação do Viaduto Adib Chammas, a canalização do Córrego Cassaquera, o programa Rua Nova, que trouxe mais de 200 km de asfalto novo, entre tantas outras ações.

Santo André também investiu em tecnologia e inovação e foi premiada e reconhecida como Cidade Inteligente. Também criamos o programa Escola de Ouro, idealizado pela Ana Carolina, que preside voluntariamente o Fundo Social de Solidariedade, e que oferece capacitação profissional a milhares de andreenses. Geração de emprego, renda e novas oportunidades para os andreenses.

Como o sr. analisa o relacionamento com a Câmara em seu primeiro mandato?

O relacionamento com a Câmara se dá de maneira próxima e saudável. Contamos com apoio dos vereadores na aprovação de importantes projetos, que colocaram fim, por exemplo, aos problemas de abastecimento do município e à dívida histórica do Semasa. É uma relação de diálogo e construção para que Santo André continue neste caminho certo para um futuro seguro.

Em sua opinião, qual o diferencial dos dois mandatos?

O primeiro mandato foi momento de realmente sanear contas e recuperar o desenvolvimento da cidade, que estava estagnada e devastada financeiramente. Conseguimos reverter este cenário e colocar Santo André de volta no caminho certo. O segundo mandato começou com o maior desafio da história da nossa cidade, impactado pela pandemia.

Nossa prioridade, agora, é salvar vidas e garantir que nenhum andreense fique sem atendimento médico, meta esta que estamos cumprindo com muito esforço. Também estamos empenhados em conseguir o máximo de doses de vacina para imunizar a nossa gente com celeridade, para que possamos vencer esta guerra de maneira efetiva.

Minimizar danos também é foco das nossas ações. Por isso, aporte de pacotes de auxílio e medidas socioeconômicas são focos de nossa atuação. Ao longo do último ano, distribuímos mais de 300 mil kits do Merenda em Casa, para garantir a segurança alimentar das crianças, que não estão frequentando presencialmente às aulas na rede municipal. Temos para o mandato atual três pilares prioritários de atuação: Saúde, Educação e Geração de Emprego e Renda, que serão setores fundamentais para o cenário pós-pandemia.

O social ganhou grande des­taque nesta época de pandemia. Quais ações destaca e quais os avanços conquistados nos últimos quatro anos?

O Fundo Social de Solidariedade, capitaneado pela Ana Carolina, vêm desenvolvendo um trabalho bri­lhante, que fez grande diferença na vida das famílias de Santo André, sobretudo àquelas mais vulneráveis. O programa Escola de Ouro, com cursos de qualificação profissional, vai formar mais de 10 mil pessoas para atuar e empreender em áreas como Construção Civil, Panificação, Costura, Gastronomia, Beleza, entre outras. Também criou o Moeda Verde que, em parceria com o Semasa, troca lixo reciclável por alimentos frescos, com atuação em 17 núcleos comunitários da cidade.

Também criamos o projeto Costuran­do com Amor, que produziu 700 mil máscaras de tecido, distribuídas nas comunidades, dando oportunidade de renda às costureiras da cidade. Projeto este que está sendo retomado agora, com novas ins­crições. As Lojas Solidárias também bateram recorde de arrecadação de doações de alimentos, roupas, produtos de limpeza e outros itens que são distribuídos a quem mais precisa. O Moeda Pet, outra ação em parceria com Banco de Alimentos e Banco de Rações, também troca garrafas Pet por ração animal e vem ajudando na sustentabilidade e no bem estar animal em Santo André. Ações como estas estão assegurando dignidade e qualidade de vida neste momento tão delicado da maior crise sanitária da nossa história.

Com o início da pandemia houve forte pressão na área da saúde. Como o sr. vê o setor em relação à estrutura antes, durante e pós-pandemia?

Desde o primeiro dia de gestão, Santo André se estruturou na Saúde para garantir dignidade, humani­zação e qualidade nos nossos equipamentos. Isso fez total diferença quando eclodiu a pandemia. Quando começamos a observar os primeiro casos em outros países, antes mesmo da chegada do vírus ao Brasil e à nossa cidade, iniciamos um planejamento de enfrentamento da co­vid-19.

Levantamos hospitais de campanha (Pedro Dell’Antonia, Bruno Daniel e UFABC), criamos leitos de UTI, ampliamos a nossa capacidade hospitalar instalada e nos tornamos referência mundial em cuidar de pessoas, ganhando inclusive destaque na imprensa internacional pela nossa infraestrutura. Tomamos medidas importantes com testagem em massa em sistema drive-thru, que foram transformados agora em pontos de vacinação. Estrutura que nos permite chegar a marca de cerca de 120 mil pessoas vacinadas na cidade, destacando Santo André acima da média estadual e nacional. Vamos seguir em busca de mais vacinas e da garantia de controle do vírus, para salvar vidas e minimizar danos.

A covid pegou o mundo de surpresa. Em sua opinião, como os municípios podem preparar a rede de saúde para eventuais novas pandemias?

Com planejamento e gestão. Dire­trizes que adotamos é que faz com que nosso sistema de saúde resista ao colapso, garantindo um SUS fortalecido é fundamental na preservação de vidas. Investir na Saúde Pública e valorizar os heróis da Saúde têm feito grande diferença nesta luta diária para combater este vírus tão mortal.

A educação tem sido impactada fortemente com a quarentena. Como vê o ensino neste período e quais ações planeja para reduzir os prejuízos dos alunos nesse período?

A Educação é, sem dúvida, uma das grandes prioridades do nosso governo. Desde o início da pandemia, adotamos o ensino à distância para os nossos alunos. Distribuímos chips para facilitar o acesso à internet, estamos adquirindo tablets, criamos o programa Merenda em Casa, e estruturamos ferramentas pedagógicas para que nossos alunos tenham acesso ao conteúdo e sigam evolutivos.

Não vejo, no curto prazo, um sistema que não seja o ensino híbrido. Até que todos os profissionais de Educação estejam vacinados e a pandemia sob controle, a volta às aulas 100% presencial está fora de cogitação. Nosso compromisso é com a vida.

O sr. é novamente presidente do Consórcio Intermunicipal ABC e, inclusive, reunificou os municípios na entidade. Como vê a questão da regionalidade nos períodos pandemia e pós-pandemia?

A união de esforços entre as sete cidades nunca se fez tão necessária quanto neste momento. A tomada de decisões de forma colegiada no combate à pandemia tem sido fundamental para conseguirmos passar por este período mais crítico da pandemia. A atuação do Consórcio tem sido fundamental para os avanços na conquista de doses de vacina a na ampliação de leitos de UTI para garantir que as cidades consigam resistir à pandemia. Esta atuação também será necessária no pós-pandemia, quando precisaremos reverter as perdas e recuperar a economia. Vamos trabalhar para que esta união se solidifique ainda mais e se intensifique.

Quais desafios o sr. acredita que terá neste segundo mandato?

O maior desafio é garantir que Santo André resista à covid-19. É atravessarmos a pandemia com o menor número possível de vidas perdidas, com capacidade de atendimento médico e, principalmente, garantir a vacinação da nossa gente o quanto antes. Superado este desafio inicial e emergencial, temos de recuperar as perdas educacionais e socioeconômicas, trabalhando sobretudo para resgatar a economia, gerar emprego e renda e garantir novas oportunidades para a nossa gente.

Qual Santo André o sr. projeta para este novo mandato?

Pensamos Santo André pelos próximos 30 anos. Planejamos uma cidade inteligente, inovadora, tecnológica e inclusiva, para que as ações definidas hoje, ecoem nos próximos anos. Santo André deixou para trás um período sombrio de descuido e estagnação, reencontrando protagonismo e desenvolvimento. E este caminho é o qual deve trilhar, com muito planejamento e trabalho sério, que vem mudando a cara da cidade e transformando a vida da nossa gente.

Qual mensagem deixa para a população neste aniversário?

Santo André vai resistir! Se eu pudesse dar um presente para a nossa cidade, para cada andreense, sem dúvida seria vacinar toda a nossa gente. Por isso, não vou medir esforços para garantir novas doses e ampliar a imunização. Porém, até que consigamos avançar neste cenário, peço a todos que se cuidem. Unidos, somos mais fortes do que o vírus. Com cuidado, respeito e amor à vida vamos vencer, de uma vez por todas, a guerra contra o novo coronavírus.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*