Esportes, Sul-Americana

São Paulo passa sufoco, mas vence Rosario e avança

S.Paulo passa sufoco, mas vence Rosario e avança
Diego Souza comemora o gol que deu ao Tricolor a classificação à segunda fase. Foto: Miguel Schincariol/Folhapress

Contestado e até criticado, principalmente após a eliminação para o Corinthians na semifinal do Paulista, Diego Souza começa a dar sinais de recuperação no São Paulo. Ontem (9), o meia-atacante não teve atuação de encher os olhos, mas fez o único gol da vitória da equipe sobre o Rosario Central por 1 a 0, no Morumbi, pela partida de volta da primeira fase da Copa Sul-Americana.

O placar era justamente o que o time precisava para avançar na competição após empatar na partida de ida, realizada em abril, por 0 a 0, quando jogou com um a menos por mais de 45 minutos.

Na oportunidade, Diego Souza ficou fora até fora do banco por opção do técnico Diego Aguirre, assim como aconteceu contra o Ceará, pela segunda rodada do Brasileiro.

Desde a estreia oficial de Aguirre, o camisa 9 só fez quatro jogos como titular. A partida de ontem foi a terceira consecutiva. Diego atuou pela primeira vez desde o início no dia 17 de março e só voltou a começar um jogo há dez dias contra o Fluminense.

No último sábado, Diego teve nova chance e salvou o time tricolor da derrota ao marcar o gol de empate diante do Atlético-MG, aos 36 minutos do segundo tempo.

O gol marcado por Diego Souza fez o São Paulo superar ao menos momentaneamente o trauma de eliminações recentes em seu estádio em jogos mata-mata. Desde 2012, quando conquistou seu último título – justamente o da Copa Sul-Americana –, o clube coleciona sete insucessos em 13 eliminatórias no Morumbi.

Com a classificação, o São Paulo já supera sua campanha do ano passado na competição, quando foi eliminado na primeira fase. Na oportunidade, foi desclassificado pelo Defensa y Justicia após empates por 0 a 0 na Argentina e 1 a 1 na Capital paulista.

Agora, o time dirigido por Aguirre aguarda o sorteio para conhecer seu próximo adversário no torneio. A definição ocorrerá no dia 4 de junho. A segunda etapa reunirá os 22 classificados, os oito terceiros colocados da fase de grupos da Libertadores, além de Banfield e Jorge Wilstermann, eliminados na fase preliminar.

Apesar da vaga, o torcedor viu o time oscilar novamente durante o jogo, o que tem ocorrido com frequência desde o início do ano.

No fim do jogo ainda sobrou tempo para confusão. Após falta em Nenê, Cueva levantou demais o pé em uma dividida, os argentinos reclamaram e o meia do Tricolor foi expulso. Na sequência, por falta, Petros também recebeu o vermelho. No último lance, Camacho desperdiçou boa chance de empatar.

 

SÃO PAULO 1 X 0 ROSARIO CENTRAL

Gol: Diego Souza, aos 15 minutos do 2º tempo. Ár­bi­tro: Eber Aquino (Paraguai). Expulsões: Cueva e Petros. Estádio: do Morumbi, em São Paulo ontem à noite.

SÃO PAULO

Sidão; Régis, Bruno Alves, Anderson Martins (Arboleda) e Reinaldo; Petros, Jucilei e Liziero; Nenê, Valdivia (Cueva) e Diego Souza (Tréllez). Técnico: Diego Aguirre.

ROSARIO CENTRAL

Ledesma; Ferrari, Martínez, Cabezas e Parot; Campo (Lovera), Ortigoza e Gil; Camacho (Zampedri) e Pereyra (Herrera); Ruben. Técnico: José Chamot.

 

Temendo perdas na janela, Tricolor já observa o mercado

A janela de transferências está longe de abrir, mas o São Paulo já se preocupa com perdas. Os zagueiros Rodrigo Caio e Éder Militão podem ser negociados em julho e, com isso, a diretoria vai precisar repor a defesa.

Ambos são crias das categorias de base e podem sair por diferentes motivos. Rodrigo, aos 24 anos, está em sua oitava temporada no Tricolor e acredita que seu ciclo está se fechando. Esteve perto de sair por duas vezes.

Agora, o zagueiro vive a expectativa de ser convocado para a Copa do Mundo e, depois, pensa em ser negociado.

Militão tem 20 anos e não dá sinais de que quer renovar o contrato com o São Paulo. O vínculo termina em 19 de janeiro, ou seja, a partir de 19 de julho o jogador já pode assinar pré-contrato com qualquer time. O zagueiro, que também joga improvisado como lateral direito, é desejo de clubes europeus, como o Porto. Por isso, o Tricolor vai tentar negociá-lo para não ficar de mãos abanando.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*