Brasileirão, Esportes

São Paulo alivia pressão e respira no Brasileirão com vitória sobre Atlético-GO

São Paulo alivia pressão e respira no Brasileirão com vitória sobre Atlético-GO
Calleri entrou no segundo tempo e teve atuação discreta. Foto: Rubens Chiri/SPFC

Eliminado da Copa do Brasil e pressionado pela proximidade da zona do rebaixamento no Brasileirão, o São Paulo conseguiu respirar. Com uma vitória diante do Atlético-GO por 2 a 1, neste domingo (19), no Morumbi, a equipe conseguiu abrir quatro pontos para a zona de rebaixamento. Os gols do São Paulo foram de Luciano e Rigoni. Mateus Barbosa descontou.

O São Paulo chegou a 25 pontos e abriu certa distância do grupo do descenso. Foi apenas a sexta vitória do time tricolor no torneio nacional, o único que restou até o final da temporada depois das eliminações na Libertadores e Copa do Brasil.

A partida foi difícil. Depois de abrir 2 a 0 com segurança, o São Paulo recuou, permitiu o primeiro gol do Atlético e terminou o jogo no sufoco. O time venceu, mas a luta contra as últimas colocações deve continuar nas próximas rodadas.

Foi a primeira partida do São Paulo após a eliminação na Copa do Brasil diante do Fortaleza. Com o triunfo, o São Paulo encerrou a invencibilidade de sete partidas dos goianos, que somavam seis empates e uma vitória.

Sem Miranda, suspenso, o técnico Hernán Crespo abriu mão da escalação com três zagueiros. Em contrapartida, reforçou o meio-campo com três volantes. Os laterais, principalmente Reinaldo, tiveram maior presença ofensiva. Sem Benítez e Igor Gomes, a armação das jogadas ficou com Rodrigo Nestor e Gabriel Sara. As peças se movimentaram mais e o time conseguiu um jogo mais dinâmico que o das últimas partidas.

Paralelamente à mudança tática, o time esteve mais “ligado” no jogo. Esse termo subjetivo significa troca de passes mais rápida da defesa para o ataque. Quer dizer que os meias estavam chegando mais ao ataque, o que não aconteceu nos últimos jogos. Briga em cada dividida.

Com esse espírito, o São Paulo conseguiu sair do desconforto inicial, quando o Atlético-GO marcou sob pressão a saída de bola. Neste começo, o visitante quase abriu o placar aos 2 minutos. Após Tiago Volpi espalmar um cruzamento, André Luis driblou Reinaldo dentro da área e chutou para fora. Foi quase.

Depois desse susto, o São Paulo “acordou”. A chave foi a movimentação dos meias e dos volantes, que tiveram espaço para jogar. O Atlético-GO marcava mal. O time teve boas chances com Rigoni, que tocou para fora após saída do goleiro Fernando Miguel, e Rodrigo Nestor. Faltava acertar a pontaria. Isso aconteceu aos 35. Após belo cruzamento de Rodrigo Nestor, que foi na verdade um passe, Emiliano Rigoni marcou de cabeça. Foi seu terceiro gol no torneio e o décimo em 24 jogos na temporada. São números que confirmam como é o principal atacante do São Paulo na temporada.

Acuado, o Atlético-GO avançou e levou perigo na jogada aérea, e Natanael desperdiçou grande chance no final do primeiro tempo. Após desvio de André Luís, o camisa 11 estava livre na pequena área, mas cabeceou mal. Parecia impedido, mas Arboleda dava condição.

A necessidade de buscar o empate fez o Atlético-GO abrir espaços. O São Paulo aproveitou a primeira chance que teve. Galeano fez jogada de ponta e cruzou para Luciano marcar o segundo gol. Destaque para a jogada do atacante paraguaio que entrou bem pela direita, no lugar de Igor Vinicius, contundido.

Depois de uma atuação segura da defesa em grande parte do jogo, o São Paulo sofreu na reta final do jogo. A primeira falha aconteceu no gol do Atlético-GO. Pressionado por quatro jogadores, André Luis conseguiu cruzar para Mateus Barbosa finalizar e diminuir: 2 a 1.

O peso da má campanha no torneio e a necessidade de vencer fizeram o técnico Crespo optar por uma substituição conservadora: a entrada de Bruno Alves no lugar de Gabriel Sara. Era a volta do esquema com três zagueiros.

Crespo também promoveu a estreia de Jonathan Calleri. O argentino voltou após cinco anos de uma passagem marcante. Em 2016, o atacante se destacou na campanha semifinalista na Copa Libertadores e anotou 16 gols em 31 jogos. A estreia foi discreta. Ainda sem ritmo, conseguiu uma boa jogada quando cruzou, mas Rigoni chegou atrasado.

Nos minutos finais, o São Paulo sofreu para segurar o placar e mostrou como a equipe ainda vive momento difícil no Brasileirão.

SÃO PAULO 2 X 1 ATLÉTICO-GO

Gols: Rigoni, aos 35 minutos do 1º tempo. Luciano, aos 10, e Mateus, aos 25 minutos da 2ª etapa. Árbitro: Caio Max Augusto Vieira (RN). Estádio: Morumbi, em São Paulo (SP).

SÃO PAULO

Tiago Volpi; Igor Vinícius (Galeano), Arboleda, Léo e Reinaldo; Luan, Rodrigo Nestor (Gabriel), Liziero (Shaylon) e Gabriel Sara (Bruno Alves); Rigoni e Luciano (Calleri). Técnico: Hernán Crespo.

ATLÉTICO-GO

Fernando Miguel; Arnaldo (Dudu), Wanderson, Éder e Igor Cariús (Janderson); Willian Maranhão (Mateus), Baralhas, André Luís e Rickson (Ronald); Natanael e Montenegro (Lucão). Técnico: Eduardo Barroca.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*