Esportes, Futebol, Paulistão

São Caetano vence o Rio Claro, encerra sina do ‘quase’ e volta à elite

Jogadores do São Caetano comemoram o acesso após a vitória no Campanella. Foto: Ale Vianna/Eleven/FollhapressAcabou a espera. Quatro anos após o rebaixamento no Campeonato Paulista, o São Caetano garantiu, na noite desta terça-feira (2), seu retorno à elite estadual ao vencer o Rio Claro por 3 a 0 no Anacleto Campanella, no jogo de volta das semifinais da Série A2. No duelo de ida, disputada no último sábado, houve empate por 2 a 2.

Com isso, o Azulão vai decidir o título da competição em jogo único contra o Bragantino, que passou pelo Água Santa nos pênaltis e também subiu. A final deve ocorrer no sábado, novamente no Campanella, já que a equipe do ABC ostenta a melhor campanha.

Em 2018, o São Caetano fará companhia ao Santo André como representantes da região na elite do Paulista. Água Santa e São Bernardo vão disputar a Série A2.

O acesso encerra período de longo sofrimento para o torcedor do São Caetano, que acumulou descensos consecutivos e, depois, “bateu na trave” em várias competições.

A “agonia” começou em 2013, com os rebaixamentos no Paulista e no Campeonato Brasileiro, para a Série C. No ano seguinte, outra queda no Nacional, para a Série D.

Em 2015, em uma A2 disputada por pontos corridos, o São Caetano terminou na sétima posição e só não subiu devido aos critérios de desempate. No segundo semestre, após ostentar a melhor campanha na fase inicial da Série D, caiu nas quartas de final para o Botafogo-SP.

No ano passado, o Azulão terminou em primeiro a fase de classificação da A2, mas caiu nas quartas de final diante do Santo André. No segundo semestre, no­va eliminação nas semifi­nais, desta vez na Copa Pau­­lista, para a Ferroviária.

Ontem, não demorou pa­­ra a torcida perceber que a história seria diferente. Aos cinco minutos, Alex Reinaldo cobrou falta e Régis apareceu sozinho para abrir o placar. Aos 25, Alex Reinaldo cobrou escanteio e Diego Augusto cabeceou contra o próprio gol: 2 a 0.

No segundo tempo, a bo­la aérea – que já havia dado dois gols ao São Caetano em Rio Claro – funcionou pela terceira vez no jogo: após cruzamento, Régis apareceu no segundo pau para testar e marcar o terceiro do Azulão.

 

Martins agradece apoio da diretoria, mas diz que não sabe se fica

Técnico mais longevo do futebol paulista na atualidade, Luis Carlos Martins não sabe se vai permanecer no São Caetano para a sequência da temporada – o time vai disputar a Copa Paulista no segundo semestre – e para a elite estadual em 2018.

“Não sei (se vou permane­cer), nem sei quando meu contrato termina, se acaba ho­je (terça-feira). O que posso dizer é que sempre tive o apoio da diretoria e da torcida, que nunca me vaiou”, disse o técnico à Rádio Master Esporte, após a vitória sobre o Rio Claro por 3 a 0.

Contratado em setembro de 2014, Martins agradeceu o apoio da diretoria, que manteve o treinador mesmo após sequência de insucessos na Série A2, na Série D e na Copa Paulista, nos quais o Azulão “bateu na trave”.

“Nosso grupo estava precisando. Batemos na trave três anos. Não subimos por um gol, por uma vitória, em um pênalti, mas neste ano deu certo”, disse Martins, que agora tem 15 acessos no currículo, sendo 14 em São Paulo.

 

SÃO CAETANO 3 x 0 RIO CLARO

Gols: Régis, aos 5, e Diego Augusto (contra), aos 25 do 1º tempo. Régis, aos 4 da 2ª etapa. Árbitro: Vinicius Furlan. Renda: R$ 17.215 (2.401 pagantes). Estádio: Anacleto Campanella, ontem à noite.

SÃO CAETANO

Paes; Alex Reinaldo, Sandoval, Eduardo Luiz e Bruno Recife; Esley (Paulinho Santos), Régis, Ferreira e Paulo Vinícius (Norton); Ermínio (Lincom) e Carlão. Técnico: Luis Carlos Martins

RIO CLARO

Paulo Victor; Hudson, Odair, Diego Augusto e Zeca; Acle­isson, Alê, Fernando (Medina) e Francismar (Moisés); Fernandinho (Daniel Bueno) e Danilo Lopes. Técnico: Sérgio Guedes.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*