Brasileirão, Esportes

Santos joga mal, mas cumpre obrigação de ganhar da lanterna Chapecoense

Santos joga mal, mas cumpre obrigação de ganhar da lanterna Chapecoense
Marinho comemorou seu gol com gesto antirracismo e, depois, deixou o campo sentindo a coxa esquerda. Foto: Ivan Storti/SFC

O Santos não fez boa partida contra o pior time do Campeonato Brasileiro, mesmo jogando em casa. Porém, conseguiu o que queria. Venceu a Chapecoense por 2 a 0 nesta quarta-feira (17) à noite, na Vila Belmiro, e deu passo importante na luta para escapar do rebaixamento. Com 42 pontos, ficou mais perto da salvação.

A postura da Chapecoense surpreendeu o Santos. Ao invés de ficar retraído, o lanterna e rebaixado time catarinense procurou sair para o jogo. Também adiantou a marcação. Com isso, os donos da casa não conseguiam achar espaços para fazer jogadas e ainda precisavam ter a preocupação de não se complicar com as investidas do adversário.

O jogo estava desconfortável para o Santos, até que a Chapecoense ajudou ao fazer um pênalti bobo. Marinho recebeu na linha da grande área, de costas para o gol, e ao tentar girar foi calçado por Jordan. Depois de quatro minutos de reclamações, consulta ao VAR e confirmação da penalidade, o próprio Marinho cobrou no canto esquerdo, aos 26, e comemorou fazendo o gesto antirracismo.

Porém, a alegria de Marinho deu lugar à tristeza e ao choro pouco depois. Ao tentar dar um pique, ele sentiu a parte posterior da coxa esquerda e teve de ser substituído por Ângelo. O atacante estava começando a recuperar a boa forma técnica e deixou o campo desolado.

Depois de superar o baque do gol, o time catarinense voltou a crescer na partida e quase empatou em dois chutes de fora da área de Mike, aos 39 e 46 minutos. João Paulo conseguiu espalmar ambas as conclusões. A parte final da etapa foi de pressão do visitante.

A partida não mudou muito no segundo tempo. A Chapecoense continuou em busca do empate, com bom volume de jogo, e a rigor criou mais chances do que o Santos. Porém, nada de marcar, o que também ajuda a explicar por que só venceu uma vez em 33 partidas.

O Santos, por sua vez, em uma rara oportunidade que teve não perdoou. Raniel lançou para Pirani, que cruzou rasteiro para Marcos Guilherme, na pequena área, definir o jogo aos 38 minutos. O rebaixamento ficou mais longe, e o Santos nem lamentou a bola do mesmo Marcos Guilherme que acertou o travessão já nos acréscimos.

SANTOS 2 X 0 CHAPECOENSE

Gols: Marinho, aos 26 minutos do primeiro tempo; Marcos Guilherme, aos 38 da segunda etapa. Árbitro: Paulo César Zanovelli (MG). Renda: R$ 232.400 (11.574 torcedores). Estádio: Vila Belmiro, em Santos.

SANTOS

João Paulo; Pará (Wagner), Luiz Felipe e Danilo Boza; Madson (Moraes), Camacho (Pirani), Zanocello, Felipe Jonatan e Marcos Guilherme; Marinho (Ângelo) e Diego Tardelli (Raniel). Técnico: Fábio Carille.

CHAPECOENSE

João Paulo; Ezequiel, Laércio, Jordan e Busanello (Marquinho); Moisés Ribeiro (Alan Santos), Anderson Leite e Denner (Lima); Mike (Bruno Silva), Henrique Almeida e Kaio Nunes (Geuvânio). Técnico: Felipe Endres.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*