Diadema, Política-ABC, Sua região

Ronaldo Lacerda: ‘o PDT me surpreendeu por seu empenho em um projeto para Diadema’

Ronaldo Lacerda: ‘o PDT me surpreendeu por seu empenho em um projeto para Diadema’
Holanda, Lacerda e Fábio Jr: “estamos apostando na conversa com a população, falando a verdade”. Foto: Divulgação/Gabriel Santana

O vereador de Diadema Ronaldo Lacerda está há pouco mais de um mês no PDT, partido ao qual se filiou após deixar o PT, em que esteve por 25 anos, e afirmou que se surpreendeu positivamente tanto com as pessoas, quanto com o projeto desenvolvido para a cidade. Lacerda é pré-candidato ao Executivo da cidade pelo partido, que já havia lançado o nome do Professor Fábio Júnior, hoje pré-candidato a vice.

“Este mês no PDT foi de muito aprendizado sobre as pessoas e sobre o projeto que havia. Na realidade, o partido nunca teve tanta atuação em Diadema e, com isso, não tinha dimensão de quanto as pessoas que estão aqui são sérias e realmente empenhadas em um projeto para cidade. Me surpreendi positivamente com o PDT”, pontuou.

Lacerda destacou que PT e PDT são muito parecidos na defesa dos trabalhadores e na contrariedade do momento vivido nos âmbitos municipal, estadual e federal. Entretanto, afirmou que no PDT há mais compreensão da questão política e sem fanatismo. “Aqui temos muita abertura para dialogarmos amplamente. Encontrei mais espaço de estar junto com a direção e nas decisões. O companheirismo aqui é muito maior. O PT tem núcleos fechados, já no PDT tem um grupo muito bom de pessoas que dialoga, com transparência.”

O vereador deixou o PT por falta de espaço em seu projeto político de sair como vice na chapa encabeçada, até o momento, pelo ex-prefeito José de Filippi Jr. e afirmou que sua ida para o PDT, bem como sua pré-candidatura ao Paço, foram feitas na base do diálogo e do respeito.

“Não poderia sair do partido me sentindo menosprezado, sem espaço, e chegar no PDT me colocando como pré-candidato, passando por cima de um projeto, que já estava montado. Começamos a fazer um diálogo com o Roberto (Holanda, presidente do PDT em Diadema) e com o Fábio Junior muito na linha do respeito, o que nos levou a chegar no consenso, tanto que estamos todos juntos aqui, o presidente e o hoje vice, neste momento. Dialogamos muito e chegamos ao consenso que meu nome, neste momento, por ser vereador e ter trajetória eleitoral, seria melhor para o PDT”, pontuou.

Lacerda ressaltou que conhecer a vida política na esfera de governo, quanto vereador, agregou experiência sobre como funcionam, por dentro, o Executivo e o Legislativo, e de como colocar a máquina para traba­lhar. “Quando a gente entra (é eleito), imagina que vai ser o salvador da Pátria e aí começamos a prender que não é bem assim.”

O parlamentar destacou que o hoje pré-candidato a vice e o presidente do PDT na cidade deram o brilhantismo ao partido que o atraiu. “O Fábio Junior deu a cara a tapa em um momento que o partido estava esquecido e tenho muito respeito por isso.”

Lacerda afirmou, ainda, que as ideias que trouxe são muito parecidas com o projeto montado para a pré-candidatura de Fábio Júnior. “Então, estamos só agregando. As ideias acabam se unindo porque é o mesmo pensamento: a cidade que hoje está aí não dá. Após os oito anos do governo Lauro (Michels/PV) qualquer prefeito que vier terá de ser corajoso. Então, nada mais nos vai afligir do que já temos aqui. O que nos leva a estar disputando (o Paço) é que temos aí um povo sofrido e carente que depende de política públicas. Tenho certeza de que vamos conseguir fazer uma cidade me­lhor para o povo.”

CENÁRIO POLÍTICO

Para Lacerda, o cenário político na cidade, com a indefinição do candidato do governo, favorece a candidatura do PDT, que já tem chapa majoritária formada. “A principal aposta do governo era o Márcio da Farmácia e espero que realmente ele não venha, mas ninguém sabe o que vai ser nos últimos minutos. Essa indefinição do candidato mostra a desorganização do go­verno. De um lado o Pretinho do Água Santa, que a gente respeita, mas não representa população da cidade, e do outro Marcos Michels, que carrega a rejeição do nome. O Ricardo Yoshio apostou no PSDB, mas não tem musculatura. Já o PT perdeu com minha saída e agora vamos ver quem será o vice. Se confirmar o nome que estamos imaginando enfraquece a militância, porque traz uma pessoa da direita, que desagrega”, ressaltou.

“Então, estamos olhando para todo esse cenário e apostando que temos uma avenida que podemos trilhar conversando com a população, falando a verdade, sem propostas absurdas, mas com projetos concretos”, complementou.

um comentário

  1. Bom dia como legislador não a cidade de Diadema não tem o que recramar da atuação do vereador.foi uns dos que mais atendeu a população na área de moradia.que Deus abençoe grandemente na sua nova caminhada.que a população saiba escolher o melhor projeto para Diadema.alberto Bomfim.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*