Esportes, Futebol

Ricardo Teixeira é acusado nos EUA de ter recebido suborno para votar no Catar

Ricardo Teixeira é acusado nos EUA de ter recebido suborno para votar no Catar
Teixeira presidiu a CBF entre 1989 e 2012. Foto: Fabio Motta/Estadão Conteúdo

Promotores dos Estados Unidos revelaram nesta segunda-feira (6) novos detalhes do suposto pagamento de suborno a membros do Comitê Executivo da Fifa, incluindo o brasileiro Ricardo Teixeira, em troca de votos para designar o Catar como sede da Copa do Mundo de 2022. Além disso, acusou um casal de ex-executivos da 21st Century Fox de fazer pagamentos ilegais para obter os direitos de transmissão para os torneios de 2018 e 2022.

Uma acusação que teve os selos de confidencialidade retirados nesta segunda-feira em um tribunal do Brooklyn (bairro de Nova York) afirma que Nicolás Leoz, então presidente da Confederação Sul-americana de Futebol (Conmebol), e Ricardo Teixeira, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), receberam subornos para votar no Catar durante a reunião do Comitê Executivo da Fifa em 2010. Os valores não foram revelados.

Jack Warner, de Trinidad e Tobago, então presidente da Concacaf (confederação de futebol da América do Norte, Central e Caribe) recebeu US$ 5 milhões (R$ 26,4 milhões, na cotação atual) em subornos, de acordo com a imputação. Ao presidente da Federação de Futebol da Guatemala, Rafael Salguero, foi prometido suborno de US$ 1 milhão (R$ 5,3 milhões), segundo a denúncia.

Leoz, que morreu em agosto passado, evitou a extradição, assim como Warner e Teixeira. Salguero se declarou culpado em 2018 por duas acusações de conspiração de fraude eletrônica e uma de suborno e conspiração para lavagem de dinheiro.

Alejandro Burzaco, ex-diretor da empresa de publicidade argentina Torneos y Competencias, afirmou em 2017 que os três membros do Comitê Executivo da Fifa receberam propinas milionárias para votar no Catar, que superou a proposta dos Estados Unidos por 14 a 8.

Os ex-executivos da 21st Century Fox Hernán López e Carlos Martínez foram acusados nesta segunda-feira de fazer pagamentos aos dirigentes da Conmebol para obter informações sobre o leilão pelos direitos de transmissão de um co-conspirador cuja identidade não foi divulgada na acusação.

A ESPN tinha os direitos de transmissão nos EUA para as Copas do Mundo entre 1994 e 2014, mas em 2011 a Fox obteve os direitos para os torneios de 2018 e 2022. Depois que a competição no Catar foi transferida para o final do ano, quando possivelmente receberia menos atenção no país, a Fifa concedeu à Fox os direitos de 2026 sem licitação.

Desde que as primeiras acusações envolvendo dirigentes da Fifa vieram a público em maio de 2015, houve 26 admissões de culpa. O ex-presidente da Conmebol Juan Ángel Napout e o ex-presidente da CBF José María Marin foi condenados – o brasileiro foi libertado na semana passada.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*