Diadema, Política-ABC, Sua região

Renato Moreni: ‘minha pré-candidatura a deputado estadual por Diadema está colocada desde 2019’

Renato Moreni: "existem movimentos que estão dialogando conosco e nos cobrando que mantenhamos a candidatura". Foto: Reprodução Facebook
Renato Moreni: “existem movimentos que estão dialogando conosco e nos cobrando que mantenhamos a candidatura”. Foto: Reprodução Facebook

O petista de Diadema Renato Moreni Aires da Silva, conhecido como Renato do GEB, afirmou ao Diário Regional que sua pré-candidatura a deputado estadual pelo partido vem desde 2019. Segundo Moreni, ao concorrer à Assembleia Legislativa de São Paulo em 2018, fechou acordo com a legenda de que não sairia candidato a vereador nas eleições seguintes, para voltar no pleito de 2022.

No começo deste mês, o Diário Regional anunciou que o presidente do Legislativo, Josa Queiroz, disputará vaga na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) e o líder de governo na Casa, Orlando Vitoriano, na Câmara Federal. Ambos são do PT.

“A primeira pré-candidatura posta foi a nossa. Tive uma candidatura a deputado estadual em 2018 e cumprimos um acordo: o grupo não lançaria candidato a vereador. Portanto, iríamos ajudar o partido e as demais candidaturas dentro do que fosse a nossa possibilidade, e voltaríamos a ser candidato em 2022. Então, se tem uma pré-candidatura que estava posta desde que acabou o processo eleitoral de 2019, era a nossa. Quando se afirma que existem duas candidaturas na cidade, o Josa e o Orlando, e não considera a nossa candidatura, que já teve experiência de disputa eleitoral para deputado estadual, achamos que faltou informação”, destacou.

Segundo Moreni, sua pré-candidatura a deputado foi colocada, novamente, quando foi discutida a chapa de composição do novo diretório. “Nos manifestamos naquele momento que manteríamos a nossa indicação à pré-candidatura para 2022 e, posteriormente, quando teve a discussão da vice-prefeita, nosso nome foi colocado para vice, naquele momento foi reafirmado que em 2022 seria lançada a pré-candidatura, mantendo o projeto que estamos construindo já há algum tempo”, afirmou o petista, ao destacar que a questão das candidaturas para deputado federal e estadual são cons­truídas na cidade, mas são definidas e articuladas junto ao diretório estadual.

PALAVRA

Moreni ressaltou a importância de cumprir o acordo, já que as pessoas que o apoiam ajudaram as candidaturas do PT tanto para deputado, quando vereador no ano passado. “Existem movimentos de várias áreas diferentes que estão dialogando conosco e nos cobrando que mantenhamos a candidatura. É muito importante para os movimentos sociais que existam candidaturas de pessoas que tenham palavra. Que dizem ‘vou fazer e fazem’. Não fazem diferente depois.”

O petista afirmou que é importante para o ABC e, em especial, a Diadema, um depu­tado estadual que não abandone o mandato no meio do caminho e que tenha o compromisso de fazer um embate muito sério no que diz respeito às políticas públicas.

“A ideia é ter um mandato que faça o diálogo, de forma muito direta, com as pessoas, para que ajudem a construir e implementar políticas públicas sérias. Precisamos de pessoas na Assembleia Legislativa que ajudem o Estado a se fortalecer e o município a ser representado por políticas públicas, por emenda parlamentar, participando das ações centrais.”

Para Moreni, os diademenses olham para Assembleia Legislativa e não se sentem representados, por isso, a construção de sua pré-candidatura é baseada no conceito de as pessoas se sentirem parte do mandato.

“A ideia é ter um representante que consiga fazer essa relação entre a sociedade, que é o verdadeiro dono do poder e a Alesp. É a sociedade quem financia (os poderes) pagando os impostos. É quem paga salário de prefeito, vereador, deputado estadual e federal, governador, senador, presidente, além de toda a estrutura abaixo deles. Esse debate precisa ser feito pela sociedade. Você elege um deputado para quê? Qual o papel dele? O que a pessoa já fez que dá uma indicação de que chegando lá terá capacidade e competência para fazer algo pela cidade?”, afirmou, ao destacar que fará esse debate com a sociedade durante a campanha eleitoral.

Moreni diz que não entrou na política por se filho de ex-prefeito ou ex-governador

Renato Moreni Aires da Silva, conhecido como Renato do GEB, que se coloca como pré-candidato a deputado estadual pelo PT de Diadema, afirmou que sua trajetória política começou pelo movimento estudantil, e não por ser filho de político.

“Formamos grêmios reivindicando melhorias na qualidade da educação, que é o lugar onde a maioria dos jovens está, dentro da escola. Depois vimos que as coisas eram muito maiores, vão para fora dos muros da escola. Começamos a perceber que nos espaços onde a juventude  estava ocupando  havia um perfil que estava excluído e começamos a organizar um grupo de estudo, de preparação para a ETEC e o vestibular. À medida que fomos nos preparando começamos a ver as dificuldades e os desafios para as pessoas da rede pública chegarem à universidade pública. Hoje com o Enem e o Prouni é mais fácil, mas antes era muito difícil”, destacou.

Moreni afirmou que uma das primeiras ações dentro do movimento por melhorias pela educação foi  formar o cursinho pré-vestibular e, posteriormente, o Fórum dos Cursinho do Estado de São Paulo. “Brigamos para que as universidades públicas tivessem isenção da taxa de vestibular. Então, quando as pessoas olham hoje a isenção na USP, Unicamp e Fatec, parece que as instituições sentaram e falaram: ’essas pessoas precisam ser enxergadas’, e não foi isso. Foi uma briga. Nós fomos o posto oficial da Fuvest aqui em Diadema e na região toda, para recolher as inscrições de isenção de vestibular, isso em 2000, além disso, participamos diretamente na luta para que a ETEC viesse para Diadema e que deixasse de ser extensão de São Bernardo.”

Segundo o petista, sua trajetória  de mais de 20 anos por melhorias na educação, o credencia para a disputa de cadeira na Assembleia Legislativa. “É importante, na visão de politica, que a pessoa, seja quem for que dispute o cargo, tenha histórico de conquistas e coisas feitas, porque é o que legitima, o que valida. Você vai colocar uma pessoa lá porque ela já fez, demonstrou que é possível. Hoje a Unifesp está em Diadema e tem quase  4 mil alunos. É uma realidade. Está concluindo a obra do prédio principal. A Fatec tem prédio próprio na cidade. A ETEC se consolidou em Diadema”, destacou.

Para Moreni, o  grande desafio na política é fazer com que as pessoas enxerguem que o imposto que elas pagam é usado para manter os serviços públicos. “Brinco sempre dizendo que o nome fala por si só, é imposto, é uma imposição. Será que o poder público está sendo capaz de fazer esse diálogo? Será que o poder público tem uma linguagem didática e educativa em que mostra para as pessoas que é o imposto dela que financia a unidade básica de saúde, a escola, a segurança pública. Todos os serviços públicos ofertados não são gratuitos. São financiados pelos impostos. Então, esse debate é muito necessário.”

Moreni afirmou que sua pré-candidatura vem com o objetivo de ampliar o debate com a população. “Não queremos sempre conversar com os mesmos. Queremos conversar, inclusive, com as pessoas que têm críticas ao PT e as coisas que estão acontecendo. Achamos que só podemos construir algo diferente se tivermos a capacidade de ouvir o outro. Estamos muito abertos a conversar com lideranças de bairro, de empresas. Com lideranças religiosas e do setor comercial. Temos de conversar com todos sem nenhum tipo de preconceito ou de rótulo. Todos são cidadãos e pagam impostos. Todos merecem o respeito.”

 

um comentário

  1. É justo sua posição em colocar-se como pré-candidato junto ao partido. Ao aparecer mais 2 candidatos a solução se dara dentro do partido por escolha por votação democrática interna.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*