Esportes, Futebol

Raphael Veiga promete ser torcedor em campo

Veiga: “Quando eu era menor, até tentei ser goleiro por causa do Marcão”. Foto: Fábio Menotti/Agência Palmeiras

Raphael Veiga gritava “Marcos” quando jogava peladas no gol e praticava suas defesas. Agora, poderá vestir dentro de campo a camisa que se acostumou a usar como torcedor.

O meia de 21 anos foi confirmado ontem (19) como reforço do Palmeiras para 2017. Raphael Veiga assinou um contrato de cinco temporadas e se mostrou bastante satisfeito.

“Estou realizando um sonho”, resumiu o atleta, um profissional recente. Só em fevereiro, o meia foi alçado à equipe principal do Coritiba, onde se destacou.

Meia canhoto de habilidade, com boa finalização, Veiga chamou a atenção do Palmeiras. Agora, de contrato assinado, pode falar abertamente aquilo que não fazia questão de esconder.

“Venho de uma família que é praticamente inteira palmeirense. Meu avô, que era muito palmeirense, começou tudo isso”, comentou o jogador, ansioso para atuar ao lado da torcida. “Serão duas emoções: a primeira, de torcedor; depois, a de jogador. Acho que serei um torcedor dentro de campo”, afirmou o atleta.

Quando estava fora dele, Raphael Veiga tinha um jogador favorito: Marcos. Essa idolatria só não o fez atuar em outra posição por falta de talento.

“Por ser meia, gosto do Alex. Porém, quando eu era menor, até tentei ser goleiro por causa do Marcão, mas não consegui. Ainda bem que não deu certo no gol”, divertiu-se o atleta.

Passado alvinegro

A tentativa de atuar sob a trave ocorreu no Corinthians. Paulistano da zona leste, Veiga fez um teste no clube do Parque São Jorge, aos nove anos, e acabou reprovado como arqueiro. Duas semanas depois, voltou para mais uma peneira, jogou na linha e conseguiu agradar.

O pequeno atleta permaneceu dois anos vestindo preto e branco e foi liberado justamente por isso: ser pequeno. Acabou engrenando na base do Audax, chegou ao Coritiba e, hoje, com 1,76 m, pode rir dos responsáveis por sua dispensa.

A passagem pelo Parque São Jorge não o fez criar vínculo afetivo com o Corinthians. Torcedores do Palmeiras buscaram publicações antigas de Veiga na internet e vibraram com comentário dele de agosto de 2011: “Silêncio na favela”.

Era um adolescente de 16 anos comemorando a vitória por 2 a 1 do Verdão sobre o arquirrival, em Presidente Prudente. Agora, Raphael Veiga poderá tentar derrubar o adversário usando os próprios pés.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*