Minha Cidade, Regional, Sua região

Quarentena derruba letalidade do trânsito no ABC, mas flexibilização acelera número de acidentes

Quarentena derruba letalidade do trânsito no ABC, mas flexibilização acelera número de acidentes
Total de mortes é o menor para o período janeiro-agosto desde a criação do Infosiga, mas registro de acidentes vem crescendo desde maio

A quarentena adotada des­de 24 de março no Es­­tado de São Paulo para diminuir o contágio pelo no­vo coronavírus reduziu o número de mortes no trânsito do ABC ao menor patamar desde 2015, mas a retomada gradual das ati­vidades econômicas fez acelerar o nú­mero de acidentes na região, a ponto de o indicador ter recuperado em agosto o pata­mar anterior ao da pandemia.

Ocorrências nas ruas, avenidas e rodovias do ABC fize­ram 92 vítimas fatais entre março, mês de início das medidas de isolamento social, e agosto. O total é 23,3% inferior ao apurado no mesmo período do ano passado (120), segundo dados divulgados nesta sexta-feira (18) pelo Infosiga SP, sis­tema ge­renciado pelo progra­ma Respeito à Vida que publica mensalmente estatísticas de aci­­den­tes de trânsito no Estado.

Entre janeiro e agosto, o trân­sito do ABC matou 123 pessoas, número 19,1% inferior ao apurado nos mesmos meses do ano passado (153). Tra­ta-se do menor pa­tamar para o período desde a criação do Infosiga SP, em 2015.

“O acumulado (de óbitos) no ano é decrescente e bastan­te positivo. Evidentemente, a pandemia teve influência na re­dução, uma vez que diminuiu o trânsito e o número de veículos e de pessoas nas ruas”, afirmou o diretor-presidente do Detran-SP, Ernesto Mascellani Neto, em entrevista ao Diário Regional.

Mascellani Neto destacou, porém, que a pandemia não explica sozinha a redução no nú­mero de mortes e ressaltou a importância do Infosiga SP no desenvolvendo políticas pú­­blicas mais consistentes pa­ra tornar o trânsito paulista me­nos violento. “Os dados do Infosiga SP permitem a pro­posição de intervenções viá­rias de sinali­zação, redução de velocidade e me­lhoria do asfalto, entre outras, que têm se mos­trado eficientes”, disse.

O Infosiga SP indica ain­da queda nas fatalidades em todos os modais durante a pandemia. Na comparação de março a agosto com o mesmo período de 2019, as ocorrências envolvendo motos lideram as estatísticas, mas o número de mortes caiu 25,9%, para 40. Óbitos de pedestres recua­ram 11,4%, pa­ra 31, e de moto­ristas de carro baixaram 45%, para 11.

FLEXIBILIZAÇÃO

Os dados do Infosiga SP, po­rém, também apontam aumento gra­dual do número de acidentes de trânsito no ABC à medi­da que o governo do Estado afrou­xa as medidas de isolamen­to social e permite a retoma­da das atividades econômicas.

Prova disso é que o número de ocorrências nas ruas, avenidas e rodovias do ABC subiu de 428 em abril para 497 em maio, 555 em junho, 622 em julho e 667 em agosto, o que fez o indicador praticamente voltar ao patamar anterior ao da pandemia, de 679 acidentes em fevereiro (veja gráfico acima).

“Trata-se de um movimento esperado, uma vez que há mais veículos e gente nas ruas”, minimizou Mascellani Neto. O diretor-presidente do Detran-SP lembrou que, no acumulado do ano até agosto, a comparação ainda é positiva – queda de 16,0% ante o mesmo período de 2019, para 4.777 acidentes.

SEMANA DO TRÂNSITO

Começou nesta sexta-feira e vai até o próximo dia 25 a Semana Nacional de Trânsito, principal ca­lendário do país dedicado à promoção de atitudes responsáveis nessa área. O Detran-SP realiza até a próxima sexta-feira 22 webinars envolvendo especialistas em trânsito, que deba­terão em várias frentes, como educação, inovação, serviços pa­­ra o cidadão e legislação.

“O trânsito ainda mata duas vezes mais do que os homi­cídios e são a principal causa externa de morte no Estado”, lembrou Mascellani Neto.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*