Minha Cidade, Santo André, Sua região

Projeto Moeda Verde já distribuiu 400 kg de alimentos em S.André

Projeto Moeda Verde já distribuiu 400 kg de alimentos em S.André
Cada cinco quilos de material dá direito a um quilo de alimento. Foto: Ricardo Trida/PSA

A Prefeitura de Santo André e o Serviço Municipal de Saneamento Ambiental da cidade (Semasa) inauguraram ontem (24) o segundo ponto do projeto Moeda Verde, que troca materiais recicláveis por legumes e verduras cedidos pelo Banco de Alimentos. Localizado no núcleo Capuava, na altura do nº 11.300 da Avenida dos Estados, o posto de troca dá continuidade à iniciativa que já se mostrou exitosa no Núcleo dos Ciganos, em Utinga, e que já distribuiu 400 quilos de alimentos desde novembro do ano passado, trocados por 2.150 kilos de material reciclável.

A cada cinco quilos de materiais (plásticos, vidros, papel, metal, entre outros) o morador tem direito a um quilo de alimento. Na inauguração do projeto no núcleo Capuava, o casal Raimundo José do Nascimento e Inez Josefa do Nascimento foram os primeiros a fazer a troca. Os dois juntaram durante a semana 19,2 quilos de material reciclável e levaram para casa quatro quilos de alimentos, entre batata doce, laranja, mexerica e escarola. “Vai ajudar muito. Já juntava reciclável, vendia as latinhas, mas agora pretendo trazer tudo para trocar”, declarou Nascimento.

Outra que aguardava pela troca era a dona de casa Nivalda Nádia Oliveira Ferreira. “Veio em boa hora, porque consumo bastante suco de uva e estava com várias garrafas de vidro na minha garagem. Agora já tenho como dar fim em todas elas”, celebrou. Nivalda acredita que a iniciativa vai melhorar muito o descarte de lixo no núcleo habitacional. “Por isso temos tantas enchentes e tantos problemas. Sempre tem uma garrafa, um saco plástico, que vai acabar no rio. Agora vai ficar bem melhor”, completou.

O projeto é uma parceria do Núcleo de Inovação Social e do Semasa e tem como objetivo principal combater pontos de descarte de lixo e entulho. No Núcleo dos Ciganos, o gasto anual para remoção do material era de R$ 300 mil ao ano e o problema foi totalmente resolvido após a troca por alimentos. No núcleo Capuava, o valor chega a R$ 250 mil/ano. “Cria um sentimento de pertencimento das pessoas com a limpeza da sua comunidade”, afirmou o prefeito Paulo Serra (PSDB).

Amanhã (26), será inaugurado o ponto de troca do Núcleo Cipreste. “A gente apresenta um outro cronograma a partir do mês de maio, da segunda quinzena, para expandir. Porém, a nossa ideia é que seja um programa permanente, constantemente em ampliação”, explicou o prefeito. “Nosso objetivo é chegar em todos os núcleos e vamos fazer isso até o final do mandato”, completou. Santo André tem 83 pontos de descarte irregular de lixo e resíduos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*