Economia, Notícias

Pregão define empresa que vai explorar e revitalizar a Craisa

Pregão define empresa que vai explorar e revitalizar a Craisa
Empresa vencedora da licitação terá direito a explorar o espaço por 35 anos. Foto: Angelo Baima/PMSA

A Companhia Regional de Abastecimento Integrado de San­­to André (Craisa) realiza nesta quinta-feira (18) pregão presencial com o objetivo de escolher a empresa que fará a moder­nização e ampliação do comple­xo onde funciona a empresa pública. Em contrapartida, o vencedor do certame poderá explorar o espaço por 35 anos.

A abertura dos envelopes está prevista para ocorrer às 10h, na sede da Craisa.

A empresa ou o consórcio vencedor ficará res­ponsável pela cons­tru­ção de mercado municipal, pelo aumento de 63 pa­ra 216 no número de boxes para o comércio de hortifrutigranjeiros e pelo incremento de 81 para 132 no total de pedras (espaços delimitadas apenas no chão). Está prevista ain­da a completa revitalização das instalações e do estacionamento.

A empresa vencedora da licitação terá direito a explorar o espaço por 35 anos, com previsão de investimento de cerca de R$ 200 milhões, dos quais R$ 20 milhões de outorga fixa e R$ 8,3 milhões de contrapartida, que serão aplicados na modernização da cozinha central  (onde são preparadas as merendas da rede municipal de ensino), do sacolão Santa Teresinha e do prédio da administração da companhia.

O vencedor do certame terá ainda de pagar à prefeitura parcelas mensais de outorga variável, que não podem ser inferiores a 3% do rendimento bruto.

“A modernização e ampliação da Craisa vão gerar dinamismo econômico e fomento comercial para a cidade, além de proporcionar novas oportunidades, com a criação de mais de 5 mil postos de trabalho. Será um ganho para o município e para a população, que terá um espaço renovado, com variedade de produtos, além do mercado”, afirmou o prefeito Paulo Serra (PSDB).

Segundo a prefeitura, os investimentos previstos no projeto de concessão vão dar à Craisa capacidade para abastecer a demanda do ABC, da zona Leste da Capital e da Baixada Santista. Atualmente, o Ceasa ABC é procurado principalmente por feirantes, donos de pequenas mercea­rias e restaurantes, suprindo as necessidades de abastecimento de cerca de 1 milhão de pessoas.

“A estimativa é de que seja possível triplicar as vendas, chegando à capacidade para abastecer população de 4,5 milhões de pessoas, absorvendo parte do público que compra na Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo), na Capital”, afirmou o superin­tendente da Craisa, Reinaldo Messias.

O tempo de obra estimado é de dois anos e meio após o início das intervenções. A estimativa é de que a realização do projeto possa gerar cerca de 5 mil empregos diretos e 15 mil indiretos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*