Política-ABC, Santo André, Sua região

Prefeituras buscam ação do Estado para desocupação da Chácara Baronesa

Morando, Paulo Serra e Salles vistoriaram  o parque e constataram “degradação”. Foto: Julio Bastos/PSA

O secretário estadual do Meio Ambiente, Ricardo Salles, vistoriou ontem (17) o Parque Chácara Baronesa acompanhado dos prefeitos de Santo André, Paulo Serra (PSDB), e de São Bernardo, Orlando Mo­rando (PSDB). Situado na divisa entre os dois municípios, o espaço pertencente ao governo do Estado deveria servir como equipamento de lazer para os bairros próximos, mas seu entorno é ocupado irregularmente por cerca de 600 famílias e sofre com sucessivas invasões, a despeito da revitalização do espaço ocorrida em 2014, que incluiu cercamento e atuação de equipes de segurança.

“A degradação do parque é reflexo do descaso do poder público municipal, que permite a invasão no entorno, o que resulta em redução na utilização pela população”, reclamou Salles.
Segundo o secretário de Meio Ambiente, a prioridade é a construção de moradias para essas famílias, em solução conjunta que envolva a participação das prefeituras, da Secretaria de Estado da Habitação e da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU).

“Nossa ideia é, inicialmente, solicitar à Prefeitura de Santo André a indicação de um terreno para a construção de moradias. Também vamos conversar com o secretário de Habitação (Rodrigo Garcia) para ver o que há em termos de auxílio-aluguel e, por fim, (elaborar) o projeto de construção das unidades”, detalhou.

O secretário afirmou que, a partir do próximo mês, está previsto o início de melhorias do parque, o que inclui a criação de um segundo acesso para o Jardim Helena, o reforço da segurança e a recuperação da infraestrutura, o que inclui sanitários, quadra e playground. “Evidentemente, vamos fazer em parceria com as prefeituras, que têm os recursos para isso”, disse. Na questão da segurança, a secretaria ganhou o apoio da Polícia Militar Ambiental.

Salles revelou que existem recursos depositados em juízo, da ordem de R$ 7 milhões, que devem ser utilizados para a recuperação da área após a desocupação do espaço.

“Esse importante equipamento público pode ser usado por moradores de Santo André, dos Jardins Las Vegas e Milena, e também de São Bernardo, do Baeta Neves. Nesse sentido, vamos tratar do assunto de forma regional e que depende das tratativas da CDHU para a produção habitacional”, disse Serra.

Iniciativa privada

Morando revelou que as prefeituras e a Secretaria do Meio Ambiente vão procurar a iniciativa privada a fim de buscar parceiros para manutenção do parque. A ideia inicial é abrir diálogo com as montadoras instaladas em São Bernardo.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*