Editorias, Notícias, Política

Polícia Federal achou anotação de ‘Cx 2’ na casa de Aécio Neves

Defesa de Aécio Neves afirma que eventual referência a CX 2 não significa indício de ilegalidade. Foto: Agência Brasil“Diversos documentos acon­dicionados em saco plástico transparente, dentre eles 01 papel azul com senhas, diversos comprovantes de depósitos e anotações manuscritas, dentre elas a inscrição ‘Cx 2’”, informa relatório da PF, sem esclarecer ainda se a mensagem trata de “caixa dois” eleitoral.

O documento consta do inquérito que apura se Aécio Neves, o presidente Michel Temer (PMDB) e o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) e outras pessoas cometeram crimes de corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa.

Na residência, os policiais apreenderam também um aparelho bloqueador de sinal telefônico, 15 quadros, uma escultura, documentos, um celular Nokia, além de pen drive e outros itens.

No gabinete de Aécio, a PF apreendeu “folhas impressas contendo planilhas com ‘indicações para cargos federais’ com remuneração e direcionamento em qual partido político pertence ou foi indicado”, além de uma “pasta transparente contendo cópias da agenda de 2016 onde verifica-se agendamento com ‘Joesley Batista’, ‘Andrea Neves’, dentre outros”. Nas anotações encontradas no gabinete também havia papel manuscrito “citando ministro Marcelo Dantas”.

Zezé Perrella

A PF também cumpriu busca e apreensão em imóveis de pessoas relacionadas à investigação, incluindo Mendherson Souza Lima, assessor do também senador mineiro Zezé Perrella (PMDB). Apontado como um dos responsáveis por transportar dinheiro pago pela JBS a Aécio, Mendherson levou R$ 480 mil para casa de sua sogra, Azelina Rosa Ribeiro. Os pacotes com cédulas de R$ 100 estavam escondidos em um dos quartos da casa de Azelina.

Outro lado

A defesa de Aécio Neves disse lamentar que as citações sejam divulgadas por agentes público envolvidos na investigação sem contextualização e “sem qualquer informação real a que se referem”.
“Ainda assim, asseguramos que uma eventual referência a CX 2 não significa qualquer indício de ilegalidade. O senador Aécio reitera que em toda sua vida pública, nas campanhas de que participou, agiu de acordo com o que determina a lei”, diz a nota do advogado Alberto Zacharias Toron.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*