Economia, Notícias

Petrobras reduz em 2% preços da gasolina e do diesel nas refinarias

Petrobras reduz em 2% preços da gasolina e do diesel nas refinarias
Na semana passada, a ga­so­lina era vendida, em média, a R$ 5,266 o litro nos postos do ABC. Foto: Arquivo

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (30) a redução de 2% nos preços da gasolina e do diesel em suas refinarias. O reajuste, válido a partir deste sábado, ocorre no mesmo dia em que termina a isenção do PIS/Cofins do diesel.

Trata-se da primeira alteração nos preços dos combustíveis desde que o general do Exército Joaquim Silva e Luna assumiu a presidência da petrolífera no lugar de Roberto Castello Branco, no último dia 19. Luna foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para o cargo após descontentamentos com a administração anterior sobre a política de preços de combustíveis.

Apesar da redução dos preços a partir deste sábado, os combustíveis acumulam forte aumento no ano. Na parcial de 2021, a gasolina subiu 40,7% nas refinarias e o diesel, 34,1%. O ajuste ocorre em meio a grande volatilidade dos preços do petróleo no mercado internacional. A Petrobras reajusta os preços dos combustíveis em suas refinarias seguindo a variação da cotação do petróleo.

Até quinta-feira, a commodity ensaiava trajetória de alta, cotada a mais de US$ 66 por barril, mas passou a registrar perdas nesta sexta-feira, para US$ 63,53, com preocupações sobre a evolução de casos de covid-19 na Índia e no Brasil.

ABC

Na semana passada, a ga­so­lina era vendida, em média, a R$ 5,266 o litro nos postos do ABC, com alta de 0,98% ante o apurado na semana an­te­­rior, segundo pesquisa da Agên­­cia Na­cional do Petró­leo, Gás Na­­tural e Biocombustí­veis (ANP), com dados com­pi­la­dos pelo Diário Regio­nal.

Na mesma comparação, o etanol subiu em média 2,0% nos estabelecimentos da re­gião, para R$ 3,670 o litro.

Com as variações, o etanol segue vantajoso para os donos de carros flex nos postos de combustível do ABC, já que a paridade entre os dois combustíveis está em 69,7%. Para a gasolina ser compe­ti­ti­­va, a relação precisa ser superior a 70,4%.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*