Política-ABC, São Bernardo do Campo, Sua região

Pery Cartola é eleito presidente da Câmara de São Bernardo

Com maioria tranquila na Câmara, o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), teve neste domingo (1º) nova sinalização de que não terá problemas de governabilidade no Legislativo, ao menos pelos próximos dois anos. Com 25 dos 28 votos, Pery Cartola (PSDB) foi eleito presidente e terá a companhia, na administração da Casa, de outros três vereadores governistas: Pastor Zezinho (PSDB, vice-presidente), Juarez Tudo Azul (PSDB, primeiro secretário) e Ivan Silva (SD, segundo secretário).

Cartola terá como primeira missão resolver o imbróglio em que se transformou a definição do número de assessores do Legislativo. No último dia 15, o desembargador Carlos Augusto Lorenzetti Bueno, do  Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), determinou o afastamento de 90% dos comissionados da Câmara, acolhendo ação movida pelo procurador-geral de Justiça, Gianpaolo Poggio Smanio, chefe do Ministério Público.

Na prática, a decisão extinguiu dez dos 11 cargos de cada gabinete. Três dias depois, porém, o próprio TJ-SP suspendeu a decisão por 90 dias, mas a Casa trabalha com possibilidade de julgamento do mérito logo após o retorno do Judiciário do recesso, em 20 de janeiro.

“Precisamos resolver essa questão o mais rápido possível. Conversamos e entendemos o sentimento dos vereadores, mas vamos observar pareceres técnicos que nortearão a elaboração de um projeto de reforma que contemple o MP e o TJ-SP. Estamos em um momento em que não poderemos descansar”, disse Cartola.

O tucano garantiu que, apesar de ser aliado de Morando, o Legislativo terá independência sob sua gestão. “Seremos um braço auxiliar (do Executivo), mas teremos nossa autonomia”, disse Cartola, prometendo ainda um “choque de gestão” na Casa, com revisão de todos os contratos.

PT

Segunda maior bancada da Câmara, com cinco vereadores, o PT não foi contemplado na eleição para a mesa diretora e vai integrar apenas duas das 15 comissões permanentes da Casa. As principais estão nas mãos de parlamentares governistas: Constituição, Justiça e Redação, com Toninho Tavares (PSDB), e Finanças e Orçamento, com Martins Martins (PHS).

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*