Editorias, Educação, Notícias

Para promotoria, Enem 2016 foi fraudado

A Polícia Federal concluiu que as provas do 1º e do 2º dia do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), além do tema da redação, vazaram a pelo menos dois candidatos antes do início do exame. O documento foi divulgado ontem (1º) pelo Ministério Público Federal do Ceará. O relatório aponta que houve crime de estelionato qualificado.

Diante das conclusões, o procurador da República no Ceará Oscar Costa Filho afirmou que vai pedir a suspensão da validade de todas as provas do Enem aplicadas nos dias 5 e 6 de novembro. O procurador já havia solicitado que a prova de redação fosse anulada devido às suspeitas de vazamento. O juiz da 4ª vara da Justiça Federal no Ceará, José Vidal Silva Neto, no entanto, negou o pedido.

Agora, o procurador pretende usar o relatório para recorrer da decisão e estender o pedido de suspensão também para as provas objetivas. Ao todo, 5,8 milhões de candidatos já participaram do Enem neste ano. A segunda edição do exame deve ser aplicada neste final de semana para 277 mil candidatos que tiveram as provas adiadas. Segundo o relatório divulgado pelo MPF, ao menos dois candidatos do Ceará receberam fotos das provas e tiveram acesso ao tema da redação antes do início da aplicação do exame em novembro.

Outro lado

O Inep, órgão do Ministério da Educação responsável pelo Enem, informa que não há previsão de anular o exame. Em nota, diz ainda que não há indícios de vazamento do “gabarito oficial” – já a possibilidade de vazamento das provas e do tema da redação ainda está em investigação.

Segundo o instituto, o inquérito que investiga quadrilhas envolvidas em fraudes praticadas contra o exame “transcorre em caráter sigiloso” e ainda não foi concluído.
Ontem, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, confirmou que as investigações não foram concluídas, mas negou que o caso esteja sob sigilo, ao contrário do que diz o MEC.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*