Arte & Lazer, Literatura

“Os Negos do Outro Lado”: obra aborda racismo às margens do Rio Francisco em prosa poética

Evangelista atuou dirigiu e adaptou peças de teatro como “Os mansos da Terra”, “Auto da Compadecida”, “Capitães da Areia”, dentre outras. Divulgação
Evangelista atuou dirigiu e adaptou peças de teatro como “Os mansos da Terra”, “Auto da Compadecida”, “Capitães da Areia”, dentre outras. Divulgação

Se a pandemia trouxe grandes mudanças tecnológicas, o desrespeito às diferenças insiste em permanecer. São ações, hábitos, situações, falas e pensamentos que fazem parte da vida cotidiana do povo brasileiro, e que promovem, direta ou indiretamente, o preconceito racial. Um processo que atinge tão duramente a população negra.

De acordo com a última Pesquisa PoderData, 81% dos brasileiros dizem haver preconceito contra negros no país por causa da cor da pele. Para chamar atenção para essa questão e outras formas de segregação, o autor Caio Evangelista, ex-secretário de Mauá, apresenta o romance de realismo fantástico, “Os Negos do Outro Lado”.

O livro narra em prosa poética, um Brasil real muitas vezes violento e embrutecido, ao mesmo tempo, um lugar mágico com personagens contraditórios e complexos da Quilombola de Jatobá construídos nas margens do Rio São Francisco. Uma comunidade que vive em conflitos étnicos, raciais e superstições e ainda hoje, sem leis e à mercê de crimes, delitos e injustiças que, muitas vezes, só podem ser vistos pelos que conseguem enxergar para além das invisibilidades da sociedade brasileira, principalmente quando se trata de negros e pobres.

“Eu vi o Brasil assim, dual, separado por um rio, polarizado e voltando ao passado com as políticas e programas regredindo, então, imaginei uma ponte que unisse o povo, então a imagem de Juazeiro e Petrolina me veio à mente, nasci nessa região e fui costurando, alinhavando. Aquela gente deve ser revelada por suas complexidades, estranhezas, belezas, violências sofridas, abandonos e ao mesmo tempo sua dual felicidade”, revela Caio Evangelista.

Em “Os Negos do Outro Lado”, o nosso herói, Raimundo, nos leva nas águas do Rio São Francisco na busca da história do Brasil e dos brasileiros durante 200 anos. Ele também nos apresenta o simpático casal de comentaristas da vida cotidiana, Redonda e Dimas; esses dois destilam o relato da crônica da Povoação do Jatobá (hoje Petrolina – PE) ao decorrer da história, e nos contam todas as anedotas sobre os demais personagens: as verdadeiras e imaginadas também.

Ao contar as histórias e tantas vezes deformá-las, o narrador nos leva a identificar nos Raimundos as suas ambiguidades, postas nas bocas de Dimas e Redonda envoltas de misticismo, poesia e realidade nua e crua. É às margens do rio São Francisco uma série de acontecimentos mágicos ligando as personagens, num formato alternativamente teatral e narrativo, nos instiga a saber dos animais, da natureza e das coisas do povo deste e do outro lado, que fizeram memória e formaram uma povoação.

“Os Negos do outro lado” por Leci Brandão: “A primeira vez que estive em Petrolina fui arrebatada pela imagem do Rio São Francisco, ou Velho Chico, como dizem os que nasceram às suas margens. Mas além da paisagem, fiquei ainda mais envolvida pelas pessoas que ali conheci. Ao receber o convite para fazer esses breves comentários sobre Caio Evangelista e seu livro, “Os Negos do outro lado”, que nos remete não apenas às paisagens do semiárido pernambucano, mas também aos jeitos de ser das gentes que lá vivem, é inevitável pensar na riqueza da diversidade do povo brasileiro. Apresentar essa diversidade por meio de uma linguagem que nos embala entre o real e o imaginário é, certamente, o mérito desta obra. Entremeando tudo isso estão os pilares sobre as quais se constituiu a formação da sociedade brasileira: o racismo, a opressão das mulheres, o abandono dos pobres e as injustiças sobre os mais fracos. Eu não poderia deixar de dizer da minha satisfação em apresentar este livro que, de forma poética, também aponta as injustiças do nosso país”, ressalta Leci Brandão.

Caio Evangelista é autor de textos para teatro e de três livros de realismo fantástico publicados: “Teatro empírico da outra margem do rio”, “Carta aos Capadócios e “O Filtro dos Sonhos”, ”Heleny Guariba – luta e paixão no teatro brasileiro”, sendo “Os Negos do Outro Lado” seu quarto romance em prosa poética, em que o realismo maravilhoso é ainda mais aprofundando e incorpora o projeto autoral “O Encantador de Mentes”.

Evangelista atuou, dirigiu e adaptou peças de teatro como “Os mansos da Terra”, “Auto da Compadecida”, “Capitães da Areia”, “7 aleluias, a ópera”, “Saudade”, “Ópera da Terra Pilar” dentre outras. Como Gestor público comandou a Secretaria de Cultura e Juventude de Mauá-SP e criou o Centro de Formação Cultural Apolo.

Serviço:

“Os Negos do Outro Lado”, Caio Evangelista

Romance em prosa poética de realismo fantástico

230 páginas. Dimensões: ‎ 21 x 14 x 1.4 cm

Editora Brazil Publishing

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*