Política-ABC, São Bernardo do Campo, Sua região

Orlando Morando: ‘saúde foi o grande foco da gestão em 2020’

Morando: "acredito que nosso governo conseguiu recuperar o sentimento de orgulho de se viver em São Bernardo". Foto: Omar Matsumoto/PMSBC
Morando: “acredito que nosso governo conseguiu recuperar o sentimento de orgulho de se viver em São Bernardo”. Foto: Omar Matsumoto/PMSBC

O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, em entrevista exclusiva ao Diário Regional no aniversário de 467 anos do município, comemorado hoje (20), faz um balanço de seu mandato e fala sobre os desafios de comandar a cidade em meio à pandemia do novo coronavírus.

Qual a marca deste aniversário de 467 de São Bernardo?

A principal marca de 2020 é o enfrentamento ao coronavírus. Fizemos um trabalho intenso de preparação da nossa rede, acompanhada de ações sociais e de prevenção. Em janeiro, ligamos o sinal de alerta sobre a covid-19 e nossa primeira ação foi a criação do Comitê de Combate ao Coronavírus. Depois disso, foram meses de trabalho voltado a salvar vidas e proteger nossa população.

Contratamos mais de 1.500 profissionais da Saúde, inauguramos dois novos hospitais permanentes: o Hospital de Urgência e o Novo Hospital Anchieta e investimos pesado na compra de testes, insumos, materiais e equipamentos. Este planejamento, realizado de forma rápida e eficiente, fez com que São Bernardo fosse considerada a cidade menos vulnerável à Covid-19 na região metropolitana de São Paulo e a segunda menos vulnerável do país, de acordo com estudo realizado pelo Instituto Votorantim.

Esta é uma marca significativa para o momento atípico que estamos vivendo e que coloca São Bernardo em um novo patamar de segurança e de qualidade de vida.

Qual balanço o senhor faz deste seu primeiro mandato em relação a obras?

Estamos chegando na reta final deste mandato com um balanço muito positivo no quesito de entregas. Foram mais de 100 grandes obras concluídas na nossa gestão, entre elas o Piscinão do Paço, os complexos viários Tereza Delta e Castelo Branco, corredores de ônibus (João Firmino, Galvão Bueno, São Pedro, a 1ª etapa do Rudge Ramos, Rotary, duas etapas do corredor Alvarenga, Imigrantes/Anchieta e Castelo Branco), obras de contenção de encostas, por meio de um investimento de R$ 60 milhões, 1.053 moradias, além de entregarmos o prédio da Fábrica de Cultura ao Estado.

Com o Bom Prato Dia & Noite, trouxemos o maior programa de segurança alimentar do Estado para São Bernardo. Uma nova unidade avançada do restaurante foi inaugurada no bairro Assunção no período de pandemia, com oferta de almoços a R$ 1. Na área da segurança, inaugurados o 1º Centro de Operações Integradas (COI) do Estado de São Paulo e já podemos ver uma redução significativa na maioria dos índices criminais. Sem falar na maior sensação de segurança que um local como este equipamento traz para a população.

Também implementamos o maior programa de lazer de São Bernardo por meio das Praças-Parques e das Arenas Parques.

O que o senhor destaca na área da saúde?

A saúde foi o grande foco da gestão em 2020. Mas, além das ações voltadas ao combate do novo coronavírus, também tivemos outras importantes conquistas. Uma delas foi a entrega do novo Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) Silvina com funcionamento 24h. A nova estrutura nos permitiu aumentar a capacidade de atendimentos mensais, em um local mais moderno e confortável. Em julho, também entregamos a nova UBS na Vila Rosa, com dez consultórios, sala de odontologia, sala da comunidade, sala de vacina, de medicamento, entre ou­tras instalações. A unidade também é uma das contempladas pelo programa Saúde na Hora Certa, que vem ampliando o horário de funcionamento das 7h às 22h, nas nossas Unidades Básicas de Saúde. Ao todo, 14 UBSs já foram contempladas pela ação.

Entregamos a nova sede do SAMU, no Centro, o Pronto Atendimento 24h, junto com a revitalização de UBS no Taboão, a nova unidade do CAPS, no Jardim Farina, e ampliamos a capacidade de atendimento do Hospital de Clínicas para 100%. Quando assumimos o local operava em apenas 40% de sua capacidade.

Quais os avanços na área da educação?

Na Educação, nosso carro-chefe foi o Educar Mais que passou a oferecer ensino em tempo integral nas escolas da rede municipal. Hoje, são 23 escolas inseridas no programa, beneficiando 8.173 crianças das mais variadas faixas etárias. Neste ano, tivemos um plano de ação diferente por conta da pandemia. Suspendemos as aulas presenciais em 20 de março, como forma de conter o avanço da doença e enquanto as aulas presenciais não voltam, temos atuado com ensino à distância, por meio de ferramentas virtuais e de materiais impressos para alunos sem acesso à internet. Também criamos o Cartão Merenda Escolar, que oferece auxílio alimentação no valor de R$ 85 por criança matriculada na rede, por meio de um investimento de R$ 7 milhões por mês. Herdamos a cidade com mais de 4 mil crianças em fila de espera por creches e vamos zerar este déficit até o final de 2020.

O que destaca no setor da segurança?

Desde 2017 temos compartilhado a responsabilidade da segurança pública junto com o governo do Estado. Para isso, equipamos nossa GCM com novas viaturas, novos armamentos, e bases mais modernas. Enfim, uma série de melhorias na estrutura de trabalho da nossa guarda, que também teve demandas antigas atendidas pela nossa gestão. Entre elas, a equiparação do salário da GCM com o da PM e mudança do regime de contrato para o estatutário. Paralelamente a isso, trouxemos o 1º COI do Estado de São Paulo para São Bernardo, unindo em um único local as operações do Batalhão Especial da Polícia Militar (Baep), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), da Delegacia de Investigação de Infrações e Crimes contra o Meio Ambiente (Dicma), da Delegacia do Idoso e Guarda Civil Municipal.

Qual balanço faz das finanças da cidade?

Todas as nossas ações foram balizadas no equilíbrio fiscal e no respeito ao dinheiro público. No início da gestão, cortamos os carros oficiais, reduzimos horas extras, renegociamos contratos, suspendemos a verba de Carnaval, entre outras medidas. Logo nos primeiros cem dias de governo, obtivemos uma economia de R$ 101,2 milhões. Este trabalho contínuo permitiu que melhorássemos o nosso ra­ting para obtenção de financiamentos junto à Caixa Econômica Federal.

Na área de assistência social…

Na área social, trouxemos duas unidades do programa Bom Prato, entregamos o Centro de Refe­rência de Assistência Social no Alves Dias, criamos programas para a população de rua, como o Cobertor que Salva, que amplia as abordagens de rua no período de inverno, além de recuperarmos o Fundo Social de Solidariedade, que tem atuação muito forte junto às entidades assistenciais no auxílio à população mais carente. Neste ano, focamos em ajudar as famílias mais impactadas pelas medidas de isolamento social, com a entrega de mais de 55 mil cestas de alimentos. Também implementamos o cartão Merenda Solidária no valor de R$ 85 por aluno matriculado na rede municipal de ensino e criamos vagas de isolamento social para moradores de rua.

Quais programas implementados em sua gestão que o senhor considera fundamentais?

Os programas como Saúde Prioridade, Nova São Bernardo, por exemplo, foram fundamentais para organizar a cidade no início do mandato. Com eles, conseguimos zerar a fila de espera em uma série de especialidades médicas e a colocar a zeladoria da cidade em dia. E eles continuam. Outros programas como o Educar Mais e o Noite Tranquila também se tornaram permanentes, com 23 escolas municipais inseridas no modelo de ensino integral e operações de segurança para combate a pancadões realizadas de forma ininterrupta aos finais de semana.

Estamos vivendo ano atípico por conta da pandemia. Como analisa este período em relação aos setores da saúde, econômico e social do ponto de vista do município e do estado?

Hoje, somos a cidade menos vulnerável à covid-19 na região metropolitana de São Paulo e a segundo menos vulnerável do país, conforme o instituto Votorantim. Isso porque agimos rápido, com ações precisas e investimentos contínuos. Nossa estrutura de saúde vai sair desta crise muito mais forte. No campo econômico, os impactos ainda estão sendo avaliados.

Temos trabalhado para reorganizar o orçamento de forma rápida, de modo a garantir que os investimentos no combate à pandemia sejam realizados. Além disso, assinamos convênio com o governo do Estado para a reativação do Banco do Povo, que vai disponibilizar R$ 18,4 milhões para o microcrédito, o que vai dar um novo fôlego para o nosso comércio. No campo social, criamos mecanismos para arrecadação e distribuição de cestas básicas aos setores mais impactados, como ambulantes, taxistas, entre outros setores.

O que este período de pandemia trouxe de ensinamentos para o senhor quanto pessoa e quanto gestor?

Este momento de pandemia exigiu sensibilidade e empatia dos gestores públicos de uma forma geral. As cidades que souberam lidar me­lhor com esta crise foram as cidades que colocaram vidas em primeiro lugar. Foi isso que fizemos em São Bernardo. Tratamos vidas como vidas e não como números.

Qual a diferença do São Bernardo do início de sua gestão e do São Bernardo agora?

São Bernardo é hoje uma nova cidade, mais cuidada e moderna. Em 2017, encontramos um cenário de abandono e desordem, com obras paradas em diversas regiões. Com trabalho, conseguimos tirar a cidade da paralisia e realizar importantes entregas à população. Acredito que nosso governo conseguiu recuperar o sentimento de orgulho de se viver em São Bernardo e de esperança de que é possível fazer política com comprometimento e pensando no desenvolvimento e bem estar da população.

Qual mensagem deixa para os são-bernardenses neste aniversário?

Quero passar uma mensagem de agradecimento aos são-bernardenses neste aniversário. O ano de 2020 não foi fácil. Enfrentamos uma epidemia de proporção mundial que está mudando relações de trabalho e regras de convívio social. Esse cenário exigiu medidas enérgicas do poder público. Aqui em São Bernardo não medimos esforços para salvar vidas e conseguimos minimizar os impactos desta doença, por meio de muito trabalho e da ajuda da população, que se conscientizou e está fazendo sua parte. Meu pedido é justamente esse: não afrouxem os cuidados. A pandemia continua aí e não podemos descuidar. Fiquem em casa sempre que possível. Continuem usando máscara e fazendo a higiene pessoal. São gestos simples, mas que fazem uma grande diferença.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*