Economia, Notícias

Oferta reduzida persiste, mas venda de veículos novos cresceu 7,7% em maio

Venda de veículos novos cresceu 7,7% em maio
No ano, emplacamentos acumulam 891,6 mil unidades, quase 32% acima do volume vendido no mesmo período de 2020

As vendas de veículos novos no país registraram, no mês passado, o segundo melhor resultado deste ano, a despeito da redução na oferta provoca­da pela escassez de peças, especialmente semicondutores, que tem provocado interrupções nas linhas de montagem.

Em maio foram emplacados 188.660 carros, comerciais leves, caminhões e ônibus, segundo balanço divulgado, nesta quarta-feira (2), pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), que representa as concessionárias.

O resultado é 7,7% superior ao apurado em abril (175.105) e 203,4% maior que o de maio do ano passado (62,2 mil), quando as re­vendas estavam, em gran­de parte, fechadas em meio à pri­meira on­da da pandemia.

O desempenho do setor em maio ficou próximo do me­lhor mês de 2021 até agora: mar­ço, quando foram vendidos 189,4 mil veículos. Para o presidente da Fena­brave, Alarico Assumpção Jú­nior, a alta foi impulsionada por entregas de veículos vendidos em meses anteriores.

“Apesar dos esforços das mon­tadoras, as entregas ainda não atingiram o equilíbrio, em função da falta de alguns componentes, sobretudo eletrôni­cos, mantendo o represamento de vendas que já vinha sendo verificado. Nos resultados de maio, notamos que uma parcela dos emplacamentos se refere a vendas rea­lizadas em meses anteriores. Como consequência da menor oferta, os estoques de veículos, para todos os segmentos, mantêm-se em nível muito baixo”, co­mentou Assumpção Júnior.

Na comparação pela média diária, que busca tirar o efeito da variação no número de dias úteis, o mercado registrou aumento de 2,6% em maio (21 dias) contra abril (20).

O volume acumulado de emplacamentos nos cinco pri­meiros meses de 2021 soma 891,6 mil unidades. Na comparação com o mesmo período de 2020, quando foram emplacadas 675,9 mil veículos, houve crescimento de 31,9%. “Vale observar que esse crescimento, embora bastante positivo, se dá sobre uma base de comparação baixa, já que ti­vemos péssimos resultados nos meses de março e abril do ano passado, em função do início da pandemia e da parali­sação súbita da economia”, lembrou o presidente da Fenabrave.

A entidade mantém a pre­visão inicial de crescimento de 16% nas vendas para este ano, divulgada em janeiro. A Fena­brave só deve revisar suas projeções em julho, após o fechamento do primeiro semestre.

“Há demanda e crédito ele­vados no mercado automotivo e, com a evolução da vacinação da população contra o covid-19, talvez estejamos diante de um quadro mais favorável do que o estimado quando iniciamos a segunda onda da pandemia, neste ano”, disse Assumpção Júnior.

SEGMENTOS

No corte por setores, o de carros e comerciais leves acumula 837,1 mil unidades vendidas de janeiro a maio, alta de 30,7% ante igual período do ano passado. Na mesma comparação, o segmento de caminhões avançou 62,8%, pa­ra 46,9 mil unidades; e o de ôni­bus cresceu 14,8%, para 7,5 mil.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*