Saúde e Beleza

Novembro Azul: seja herói da sua saúde

Novembro Azul é uma campanha mundial que conscientiza sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. A doença é a segunda mais comum entre os homens brasileiros, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer. Em 2019, estima-se mais de 68 mil novos casos.

Neste ano, a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) inicia mais uma edição da campanha com o tema “Seja herói da sua saúde” e tem como padrinhos o chef de cozinha Henrique Fogaça e o ex-jogador de futebol Zico.

O movimento nasceu em um pub na Austrália, em 2003, quando Adam Garone, o irmão e um amigo estavam tomando cervejas e conversando. Ao longo do bate-papo, acabaram falando sobre a moda dos anos 1970 e como o bigode tinha caído em desuso. O dia terminou com um desafio: passar todos os 30 dias de novembro com bigode.

No país da Oceania, o termo ‘mo’ é uma gíria para a palavra em inglês moustache (bigode) e eles resol­veram batizar a ação de Movember – em alusão ao mês de novembro. O desafio teve aderência de 30 homens que, ao final, se reuniram para premiar o pior e o melhor bigode.

No ano seguinte, o grupo quis legitimar ainda mais a iniciativa e, inspirado pelas mulheres que o cercava – e todo o movimento do Outubro Rosa -, pensou na saúde do homem e descobriu que o câncer de próstata é o mais comum entre o público masculino.

Depois de elaborar proposta para envolver os homens com a própria saúde, Garone entrou em contato com o CEO da Fundação do Câncer de Próstata australiana. O executivo até gostou da ideia, mas disse que não poderia, como organização ultraconservadora, se aliar a um movimento “divertido”. Porém, disse que, se o grupo conseguisse arrecadar fundos para a entidade, a parceria seria feita.

Após a conversa com o CEO, Garone persistiu e, reunindo 450 homens que mantiveram seus bigodes, arrecadou US$ 54 mil que foram doados para a Fundação do Câncer de Próstata. Em 2005, a campanha ga­nhou mais força, começou a se espalhar por outros países e em 2011 chegou ao Brasil, com o nome que conhecemos hoje, por meio do Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL).

um comentário

  1. A prevenção é o melhor remédio. Devemos todos nos envolver nessa campanha para que o número de vitimas diminua no futuro. É facil, é rápido e é necessário fazer os exames.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*