Política-ABC, São Caetano do Sul, Sua região

MPE quebra sigilo bancário de Auricchio e Vidoski

MPE quebra sigilo bancário  de Auricchio e Vidoski
Vidoski e Auricchio são acusados de operar suposto esquema de doações. Foto: Divulgação

O Ministério Público Eleitoral (MPE) determinou a quebra de sigilo bancário do prefeito de São Caetano, José Auricchio Junior (PSDB), e do vice, Beto Vidoski (PSDB), como parte do processo que investiga a criação de organização criminosa e prática de caixa 2 durante a campanha eleitoral de 2016. A quebra de sigilo não é recente, mas a informação só foi divulgada ontem (18) à imprensa, já que o processo corre em segredo de Justiça e data de dezembro de 2016.

O promotor de Justiça da Junta Eleitoral de São Caetano, Newton José de Oliveira Dantas, confirmou que os dados já foram anexados ao processo e que continuam as oitivas das testemunhas. “Não é possível estimar prazos. Acredito que até o final do ano o processo já esteja concluído e o julgamento aconteça”, afirmou.

Auricchio, Vidoski e outras sete pessoas foram denunciados pelo MPE em 12 de junho. Segundo a denúncia, dos R$ 2.428.304,35 que ingressaram no diretório municipal do PSDB e foram declarados à Justiça Eleitoral, R$ 1.332.998, ou 54% do total, teriam sido alvo de lavagem de dinheiro. O prefeito nega as acusações.

Prefeito e vice teriam sido responsáveis pela opera­ção política do suposto esquema, que teria como ope­radores o escritório de con­tabilidade Globo Contábil Ltda, contratado pela campanha de Auricchio, cujo proprietário, Eduardo Abrantes, contou com a colaboração e anuência de seus pais, funcionários do escritório e parentes de funcionários.

A quebra de sigilo bancário de doadores, em julho do ano passado, mostrou que os valores não eram compatíveis com a renda. Ana Maria Comparini, mãe da funcionária da Globo Contábil Rita de Cassia Silva, doou R$ 293 mil para a campanha. Ana Maria é pensionista.

A assessoria de imprensa da prefeitura não se pronunciou sobre a quebra de sigilo do prefeito e do vice. Pela ocasião da denúncia, os advogados de defesa de Auricchio, Ricardo Penteado e Beto Vasconcelos, negaram as irregularidades.

“Com relação à notícia de apresentação de denúncia pela Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo, deve-se esclarecer que se trata de opinião do Ministério Público Federal, ainda pendente de apreciação pelo Tribunal Regional Eleitoral. O prefeito está à disposição da Justiça Eleitoral para prestar todos os esclarecimentos necessários”, informou nota da defesa de Auricchio.

um comentário

  1. carlos sciarretta

    Realmente é estranho ambos serem proprietarios de imoveis com a renda que eles tem da prefeitura …..Em S.C.Sul , Santos e outros municípios………..

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*