Política-ABC, São Bernardo do Campo, Sua região

Morando doa parte do salário para entidades filantrópicas

Morando: “penso que a quantia vai ajudar entidades sérias em nosso município”. Foto: ArquivoO prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), anunciou na última semana que vai doar parte de seu salário para entidades filantrópicas do município, depois de não conseguir reduzir o aumento que foi colocado por seu antecessor, Luiz Marinho (PT), em março de 2016.

No mês passado, Morando enviou ao Legislativo pedido que o salário fosse para R$ 25.604,69, anulando o acréscimo de 20%, autorizado por Marinho, que havia deixado os proventos em R$ 30.627,77, um dos maiores do país.

O pedido do prefeito de São Bernardo tramitou pela Câmara, mas foi rejeitado após o Judiciário apontar que a proposta infringiria a Emenda Constitucional 41/2003, que determina que o subsídio mensal do prefeito seja o maior dos salários entre os funcionários públicos. Com a negativa, Morando pediu auxílio para a Procuradoria-Geral do Município, uma vez que seu objetivo era devolver o valor para os cofres públicos. Entretanto, a medida voltou a ser reprovada.

Assim, o chefe do Executivo estabeleceu que todo mês encaminhará os valores adicionais de seu salário a entidades filantrópicas do município, obedecendo a indicação do Fundo Social Solidariedade (FSS), presidido pela primeira-dama, Carla Morando.

Impedimentos

“Não só estes valores mensais, mas também o que recebi desde janeiro. Sempre fui contrário a esse aumento, que meu antecessor se colocou. Busquei caminhos para retornar aos cofres públicos, mas há impedimentos administrativos e legais que não permitiram. Com isso, penso que a quantia vai ajudar entidades sérias em nosso município”, argumentou Morando.

A postura adotada vem ao encontro da nova plataforma de economia e respeito ao uso consciente do dinheiro público, estabelecido pela atual gestão a partir de 1º de janeiro, diante de um rombo financeiro de R$ 200 milhões deixados pela administração antecessora.

Dentre as ações lideradas pelo governo de Orlando Morando estão a devolução de carros oficiais, telefones celulares corporativos, suspensão do Carnaval, corte de 30% em cargos comissionados, congelamento em 40% do Orçamento.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*