Economia, Notícias

Montadoras fecham 4 mil postos de trabalho durante a pandemia

Montadoras fecham 4 mil postos de trabalho durante a pandemia
Em agosto, mesmo com retomada na produção, setor demitiu mais de 700 trabalhadores

O setor automotivo bra­si­leiro voltou a registrar, em agos­to, recuperação na pro­du­ção de veículos após o tombo provocado pe­la pandemia de covid-19. Porém, a ociosidade recorde e o excesso de mão de obra nas fábricas têm levado as montadoras a promover demissões, em um movimento de ajuste que deve ser aprofundado nos próximos meses.

Desde março, quando a pan­demia chegou ao Brasil, as montadoras fecharam quase 4 mil vagas, segundo ba­lanço divulgado ontem (4) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Somente em agosto, o setor perdeu mais de 700 pos­tos de trabalho, apesar de a pro­dução ter registrado, no mesmo mês, o melhor desempenho des­de o início da crise sanitária.

“As demissões verificadas até agora decorrem do término de contratos temporários de trabalho e de programas de demissão voluntária abertos neste período. Todas as montadoras estão tentando proteger os empregos em função da qualidade da mão de obra do setor, mas é inevitável haver novas demis­sões. É visível o excesso de pessoal”, afirmou o presiden­te da Anfavea, Luiz Carlos Mo­raes, durante entrevista coleti­va concedida para divulgar os resultados do setor em agosto.

No mês passado, as montadoras empregavam 103,3 mil pes­soas, total 4,8% me­nor que o do mesmo mês de 2019.

Os cortes devem se intensi­ficar no último quadrimestre des­te ano, devido ao encerramento das medidas de flexibilização trabalhista adotadas por meio da medida provisória (MP) 936, que permite a suspensão dos contratos de trabalho e a redução da jornada com corte nos salários e reposição de parte do valor paga pelo governo.

A Volkswagen, por exemplo, iniciou negociações com os sindicatos de metalúrgicos para demitir 5.250 de seus 15 mil funcionários das quatro fábricas instaladas no país, em São Bernardo, São Carlos (SP), Taubaté (SP) e São José dos Pinhais (PR).

A General Motors, por sua vez, abriu PDV na fábrica de São Caetano que previa até mesmo a oferta de um Onix Joy zero-quilômetro (R$ 56 mil) aos tra­balhadores que aderissem.

PRODUÇÃO CRESCE

Ainda segundo a Anfavea, a produção de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus cresceu 24,6% em agosto em relação a julho, para 210 mil unidades. Na mesma comparação, os licenciamentos (183,4 mil) aumentaram 5,1%, enquanto as exportações (28,1 mil) caíram 3,4%.

Porém, quando confrontados com os volumes de agosto do ano passado, produção, ven­das e exportações tiveram quedas superiores a 20%, indicando longo caminho de recuperação até os níveis pré-pandemia.

No acumulado dos primeiros oito meses, a comparação é ainda mais desfavorável. Os licenciamentos (1,17 milhão) recuaram 35%, as exportações (176,7 mil) encolheram 41,3% e a produção (1,11 milhão) des­pencou 44,8%, repetindo vo­lu­mes similares aos de quase 20 anos atrás. “É como se perdêssemos três meses de vendas internas e quase quatro meses de produção”, relatou Mo­raes.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*