Economia, Notícias

Micro e pequenas empresas lideram geração de vagas com carteira no país

MPEs contribuíram com 229,4 mil dos 316,6 mil empregos criados em julho, segundo levantamento do Sebrae. Foto: Divulgação/Sebrae
MPEs contribuíram com 229,4 mil dos 316,6 mil empregos criados em julho, segundo levantamento do Sebrae. Foto: Divulgação/Sebrae

As micro e pequenas empresas foram responsáveis por 229,4 mil das 316,6 mil vagas com carteira assinada geradas em julho. Assim, de cada dez empregos surgidos no país, se­te foram criados nas MPEs.

Os dados integram levantamento realizado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), com base no Novo Cadastro Ge­ral de Empregados e Desempre­gados (Caged), do Ministério do Trabalho e Previdência.

Segundo o estudo, o setor de serviços – um dos mais atingidos pela pandemia do no­vo coronavírus – têm mos­trado sinais de recuperação e foi o segmento que mais fez novas contratações em julho.

O setor gerou 94,2 mil postos de trabalho com carteira, o que corresponde a 42% do total criado pelas MPEs.

Para o presidente nacional do Sebrae, Carlos Melles, esse resultado comprova tendência que já havia sido apontada na última Sondagem das Micro e Pequenas Empresas, realizada mensalmente pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV).

“O aumento da vacinação e a redução do número de casos e mortes por covid-19 já mostram seus efeitos. A tendência é que o setor de serviços continue tendo bom desempenho nos próximos meses e abrindo novos postos de trabalho”, projetou.

DISSEMINAÇÃO

A geração de vagas foi disseminada entre as MPEs. Todos os setores apresentaram resultados po­sitivos em julho. O comércio foi res­ponsável pela criação de 65,8 mil postos de traba­lho, seguido pela indús­tria da trans­formação (36,5 mil), cons­trução civil (26,2 mil) e pela agropecuária (4 mil). Quando somados todos os setores de atuação das micro e pequenas empresas, chega-se ao saldo de 229,4 mil vagas abertas.

No acumulado de 2021 até julho, os dados do Novo Caged mostram a criação de mais de 1,8 milhão de postos de traba­lhos formais no Brasil. Desse total, as micro e pequenas empresas contribuíram com 1,3 milhão (70%) e as médias e grandes, 413 mil (22%).

“Há mais de um ano, mensalmente, as MPEs apresentam resulta­do positivo nas contratações no país. São o mo­tor da economia e o cami­nho da retomada do crescimento”, ressaltou Melles.

O Sebrae considera como microempresa o negócio que tem até nove empregados, no caso dos setores agropecuário, de comércio e serviços. Na indústria de transformação, as mi­croempresas são aquelas que têm até 19 funcionários.

Os pequenos negócios são aqueles que possuem entre 20 e 99 trabalhadores, no setor fabril, ou de dez a 49 empre­gados na agropecuá­ria, no comércio e nos servi­ços.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*