Política-ABC, Regional, Sua região

Metalúrgicos, bancários e rodoviários aderem à greve contra a reforma da Previdência

Metalúrgicos, bancários e rodoviários aderem à greve
Categorias avaliaram como positiva participação dos trabalhadores na paralisação realizada ontem. Foto: Divulgação/SMABC

Metalúrgicos, bancários e rodoviários aderiram com maior expressividade à paralisação convocada pelas centrais sindicais em protesto contra a reforma da Previdência, realizada ontem (19). De acordo com informações do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, cerca de 53 mil trabalhadores das montadoras de São Bernardo e das principais empresas do ramo na região permaneceram parados durante toda a segunda-feira. A paralisação continuou nos turnos da tarde e noite.

O presidente do SMABC, Wagner Santana, o Wagnão, avaliou como muito positiva a participação da categoria. “Tivemos um número bem expressivo, o que mostra que este é um tema extremamente importante para o trabalhador. Toca naquilo que é um direito muito caro às pessoas. O direito legítimo de ter assegurada sua aposentadoria, depois de trabalhar uma vida inteira, e que esta lhe garanta um descanso em condições dignas”, declarou.

O Sindicato dos Bancários esteve presente nos atos realizados no calçadão da rua Coronel Oliveira Lima, centro de Santo André; na Praça da Matriz, em São Bernardo, e no Centro de Diadema. O Sindicato dos Rodoviários do ABC não informou se aderiu oficialmente à paralisação, mas a circulação de coletivos foi afetada no período da manhã nas três cidades. A Metra, empresa que opera o Corredor ABD, informou que os coletivos foram afetados pela interdição das vias. Já a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU) afirmou que sindicatos de rodoviários bloquearam a saída do Terminal de Santo André, afetando 100 mil passageiros.

Serviços públicos

As prefeituras do ABC afirmaram que não houve paralisação dos serviços públicos devido à greve, mas em Diadema várias escolas municipais não tiveram aulas. A prefeitura afirmou que houve atraso dos funcionários devido à paralisação dos ônibus intermunicipais. O Sindicato dos Funcionários Públicos da cidade (Sindema) avaliou que a adesão, ainda que parcial, dos servidores da educação, foi positiva.
A votação da reforma da Previdência está suspensa e não vai acontecer enquanto durar a intervenção militar no Rio de Janeiro, aprovada ontem (19) pela Câmara dos Deputados. Entre as principais mudanças, está o aumento gradual na idade mínima para aposentar, que vai chegar a 65 para homem e 62 para mulher, combinado com 15 anos de contribuição para um benefício de 60% do valor do último salário. Para benefícios com valores integrais, o tempo de contribuição pode chegar a 40 anos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*