Copa do mundo, Esportes

Meia Renato Augusto tem titularidade em xeque

Meia Renato Augusto tem titularidade em xeque
Renato Augusto tem atuado pouco na China, o que deve pesar na titularidade. Foto: Pedro Martins/MoWA Press

Um dos jogadores da seleção que mais têm prestígio com Tite, o meia Renato Augusto, 30 anos, está em xeque no time titular. Escalado para começar as 12 partidas comandadas pelo treinador nas Eliminatórias sul-americanas, o meio-campista deve amargar o banco de reservas na estreia da equipe na Copa do Mundo, marcada para o dia 17 de junho, contra a Suíça, em Rostov.

Três motivos explicam a decisão: o fato de jogar no futebol chinês (no Beijing Guoan), onde a intensidade e a qualidade técnica estão muito longe da Europa e até do futebol brasileiro; a falta de ritmo de jogo e a preferência de Tite por escalar uma formação mais ofensiva, principalmente nos jogos da primeira fase do Mundial.

Na China desde 2016, Renato Augusto disputou 66 partidas pelo seu atual clube nas últimas três temporadas. Em 2015, quando foi campeão brasileiro pelo Corinthians e era comandado pelo treinador da seleção, fez 49 jogos.

Dos 23 convocados para o Mundial da Rússia, o meio-campista é o que tem menos minutos em campo desde agosto do ano passado.
Nesse período, Renato Augusto totalizou 1.800 minutos. O número é bem inferior ao do zagueiro Pedro Geromel, o segundo que menos atuou, com 3.172.

O líder nesse aspecto é o goleiro Alisson, da Roma, que esteve em campo por 4.410 minutos, seguido de Firmino, do Liverpool, com 4.189.

O levantamento foi feito com base no calendário europeu, que começa em agosto e termina em maio. Na China, os campeonatos são realizados de março a novembro.

Renato Augusto também leva desvantagem na concorrência com atletas com características mais ofensivas que as dele, que tem estilo de jogo cadenciado. Para enfrentar adversários com o sistema defensivo como ponto forte, casos de Suíça e Sérvia, rivais do Brasil na primeira fase, a preferência deve ser por atletas mais ofensivos.

No amistoso contra a Rússia, realizado em março, o meia ficou no banco, e Willian foi titular. Assim, Coutinho atuou centralizado, com a res­ponsabilidade de armar o time. O atleta do Chelsea jogou aberto pela direita e Douglas Costa – que substituiu Neymar, machucado – atuou pela esquerda. Gabriel Jesus completou o quarteto de frente.

Contra a Alemanha, em partida realizada há dois meses, o ex-corintiano foi reserva de Fernandinho. O Brasil optou por fazer marcação alta e dificultou a saída de bola dos atuais campeões mundiais.

Até o duelo com os alemães, o meia havia atuado apenas três vezes no ano pelo seu time.

Renato Augusto, porém, tem muito prestígio com a comissão técnica, formada por vários ex-corintianos. É uma espécie de treinador da equipe dentro de campo.

 

Gabriel Jesus diz que ouro olímpico em 2016 foi o maior título que já ganhou

Gabriel Jesus já ganhou o Campeonato Brasileiro, a Copa do Brasil, o Inglês e a Copa da Liga Inglesa, mas o maior título que já conquistou em sua carreira não é nenhum destes listados, e sim o ouro no futebol dos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

Dois anos depois, Jesus é uma das esperanças dos torcedores brasileiros para conseguir o hexa na Rússia.

“Inexplicável, é o maior título que já ganhei”, disse o atacante ao Jornal Nacional. O jogador de 21 anos, caçula da seleção brasileira de Tite, teve seu perfil levado ao ar na noite de ontem (28) no telejornal da TV Globo.

“Eu nem esperava que receberia a camisa 9. Esse foi mais um sonho realizado”, completou Gabriel Jesus. A reportagem relembrou as origens do craque no Jardim Peri, bairro paulistano onde cresceu.

Dentre outras histórias, a reportagem destacou a famosa comemoração de “alô, mãe”, bem como o ossinho que salta na bochecha de Gabriel quando sorri. Segundo a mãe, dona Vera, o atleta caiu do beliche quando tinha três anos de idade.

“Eu já fui muito respondão, mas não para a minha mãe. Uma mãe que só quer ver o bem do filho, mas muito exigente. Às vezes pega (no pé) sim, para mim”, admitiu. “Eu tive de ser pai e mãe, eu escolhi ser pai e mãe”, reforçou Vera.

Gabriel Jesus foi o 12º personagem da série do Jornal Nacional com os perfis dos 23 convocados para a Copa do Mundo. Antes do atacante, Neymar, Pedro Geromel, Fernandinho, Marquinhos, Fred, Alisson, Renato Augusto, Fagner, Marcelo, Miranda e Casemiro foram os protagonistas das reportagens anteriores.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*