Copa do Brasil, Esportes

Marcação preocupa Palmeiras contra o Inter no Sul

Cuca voltará a escalar a defesa titular em Porto Alegre. Foto: Cesar Greco/Agência PalmeirasAs atuações contra Atlético Tucumán-ARG (vitória por 3 a 1, pela Copa Libertadores) e São Paulo (derrota por 2 a 0, pelo Brasileiro), mostraram que, após a mudança de técnico, o Palmeiras tem na defesa suas principais dificuldades. Hoje (31), pela Copa do Brasil, o time enfrenta o Internacional no Beira-Rio e, como ganhou o jogo de ida por 1 a 0, avança às quartas de final se não tomar gols.

Com Eduardo Baptista, a equipe adotava a marcação por zona, como quase todos os times. Assim, cada jogador ficava encarregado de uma área do campo e perseguia o adversário que a invadisse.

Cuca usa a marcação individual, contrariando a tendência internacional. Nesse esquema, cada um acompanha um adversário específico durante toda a partida.

Os atletas costumam correr mais ao marcar individualmente, já que têm de seguir todos os movimentos dos rivais. O cansaço pode prejudi­car o rendimento defensivo.

Além disso, se o outro ti­me se movimenta muito, a formação defensiva se desarruma e os jogadores correm o risco de “bater cabeça”.

Um drible tende a gerar situações perigosas, já que praticamente não há outro atleta na sobra. Isso aconteceu na derrota para o São Paulo. Rápido, o atacante Luiz Araújo escapou do zagueiro Mina em diferentes ocasiões.

A marcação individual é também prejudicada pelo rodízio de jogadores promovido por Cuca para poupá-los fisicamente, já que pede grande entrosamento da defesa.

No Morumbi, por exemplo, o zagueiro Juninho substituiu o titular Edu Dracena e fez sua segunda partida com a equipe. Nesse caso, o substituto teve boa atuação.

A marcação individual depende mais das características de cada jogador do que a marcação por zona, que tem tarefas mais delimitadas.

Contra o Inter, Cuca voltará a escalar a defesa titular, com Fabiano (ou Jean, caso não seja escalado no meio), Edu Dracena, Mina e Zé Roberto.

À frente deles jogará Felipe Melo, que tem enfrentado dificuldade na transição para o novo sistema. O volante marcou por zona durante dez anos na Europa.

No Brasileiro de 2016, os jogadores mostraram insatisfação com esse tipo de marcação. Porém, como a campa­nha foi vitoriosa, o time mante­ve o sistema.

Técnico

O Internacional anunciou ontem (30) a contratação de Guto Ferreira, 51 anos. O técnico deixa o Bahia para substituir Antonio Carlos Zago, 48, que foi demitido do clube gaúcho no domingo, no dia seguinte ao da derrota para o Paysandu, fora de casa, pela Série B.

Em cinco meses, Zago dirigiu o time em 30 jogos, com 57,7% de aproveitamento. Obteve 14 vitórias, 10 empates e seis derrotas, com 47 gols marcados e 27 sofridos.

Técnico desde 1992, Guto Ferreira já teve passagens pelo Inter, sempre pelas categorias de base. O contrato com o clube terá duração até dezembro deste ano, com opção de renovação por uma temporada. A apresentação no Beira-Rio ocorrerá amanhã

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*