Economia, Notícias

Malha fina do Imposto de Renda reteve mais de 700 mil declarações neste ano

Malha fina do Imposto de Renda reteve mais de 700 mil declarações neste ano
Contribuinte terá de corrigir os dados enviados à Receita para ter a restituição liberada. Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Pouco mais de 700 mil contribuintes caíram na malha fina do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2019, divulgou on­tem (9) a Receita Federal. O con­tingente equivale a 2,13% dos 32,9 milhões de declarações recebidas pelo Fisco neste ano.

Não aparecer no sétimo e último lote de restituições – cuja consulta foi aberta ontem – nem ser contemplado nos lotes anteriores significa que o contribuinte teve a declaração retida pela Receita Federal e deverá regularizar a situação.

Somente com a retificação das informações e correção das pendências, o contribuinte que caiu na malha fina terá a restituição liberada. Neste ano, segundo o Fisco nacional, 74,9% das declarações retidas têm imposto a restituir, 22,4% têm imposto a pagar e 2,7% têm saldo zero.

A Receita informou que os principais motivos para a retenção da declaração na malha fina foram a omissão de rendimentos do titular ou de seus dependentes (35,6% dos casos), inconsistência na dedução de despesas médicas (25,1%), divergências entre o Imposto de Renda retido na fonte informado na declaração e o informado pela fonte pagadora (23,5%), e problemas na dedução de previdência oficial ou privada, dependentes, pensão alimen­tícia e outras (12,5%).

Para regularizar a situação com o Fisco, o contribuinte deverá consultar o extrato do processamento da declaração no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) da Receita Federal, a fim de verificar a inconsistência. Deverá informar o código de acesso ou o certi­ficado digital para entrar na página. É preciso ter os núme­ros dos recibos das duas últi­mas declarações entregues.

Depois de constatar o pro­blema, o contribuinte deve fa­zer a declaração retificadora, por meio do mesmo programa usado para enviar a declaração original. O programa pode ser baixado no site da Receita (receita.economia.gov.br).

Inexistindo erro na declaração apresentada e estando de posse de todos os documentos comprobatórios, o contribuinte pode optar por aguardar intimação ou agendar pela internet uma data e local para apresentar os documentos e antecipar a análise de sua declaração pela Receita Federal.

ÚLTIMO LOTE

Com a consulta liberada desde ontem, o último lote de restituições do IRPF 2019 também contempla também restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2018. O crédito bancário para 320,6 mil contribuintes será realizado no dia 16 de dezembro, totalizando R$ 700 milhões.

As restituições terão correção pela taxa básica de juros, a Selic, que varia entre 4,4%, para as declarações do IRPF 2019, e 112,7%, para os documentos referentes a 2008.
Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deve acessar a página da Receita ou ligar para o Receitafone 146.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*