Editorias, Notícias, Política

Lula: ‘provem corrupção minha que irei a pé preso’

Lula: “tenho história pública conhecida. Acho que só ganha de mim no Brasil Jesus Cristo”. Foto: Robert Parizott/CUT

Em pronunciamento, on­tem (15), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se disse indignado com a decisão da força-tarefa da Operação Lava Jato de denunciá-lo. Desafiou: “Prova uma corrupção minha que irei a pé ser preso.” Em um discurso em que chorou e levou às lágrimas militantes do PT, entre eles, o presidente do partido, Rui Falcão, Lula chamou de “show pirotécnico” a apresentação feita na véspera pelos procuradores, que o acusaram de comandar o esquema de corrupção na Petrobras.

“O procurador deve estar pensativo hoje, o delegado, os ministros: ‘O que aconteceu? A custas do que esse espetáculo?’. A custas do que vender um produto que não tem como entregar?”, questionou o ex-presidente. O petista continuou: “Vocês vão ter problema com o golpe, com o que vocês querem tirar dos trabalhadores desses país, entregar nosso pré-sal, nossa Petrobras para o capital internacional. Assim não precisa de governo, mas de um vendedor”, pontupu.

Em mais de uma hora de discurso, Lula seguiu a orientação de seus advogados de não atacar a instituição do Ministério Público, apenas seus acusadores. Por mais de uma vez, pediu respeito a ele e a sua mulher, Marisa Letícia. “Quer me investigar, me investiguem. Quer prestar depoimento, me chame. Só quero que sejam honestos comigo, respeitem a dona Marisa. Não conheço parentes deles, mas certamente não são melhores que dona Marisa.”

O ex-presidente repetiu que sua vida é a mais investigada do país: “Tenho uma história pública conhecida. Acho que só ganha de mim aqui no Brasil Jesus Cristo. Pensa num caso conhecido”.

O petista chorou três vezes ao descrever sua trajetória. Uma delas foi ao relatar a operação da Polícia Federal em sua casa. Chorou também ao afirmar que seus filhos não conseguem trabalhar. “Levantaram até o colchão da minha cama, achando que tinha ouro, ou que eu tinha uma refinaria da Petrobras lá embaixo. Tive que chamar um especialista para ver se não tinha grampo. Entraram na casa dos meus filhos, até quebraram a porta, entraram como se eles fossem bandidos”, destacou.

Convicção

Lula ironizou o fato de os procuradores terem usado a expressão “convicção” na apresentação. “Não posso dizer a convicção que tenho deles. Tem que ter as convicções comedidas. Sabiam e tinham prova de um helicóptero com 400 kg de cocaína. Tinham prova. Pegaram o avião, viram a cocaína, mas não tinham convicção. Aí liberaram”, disse. O petista se referiu à apreensão de droga em helicóptero de uma empresa da família do senador Zezé Perrella (PTB-MG), em 2013. A PF descartou na época ligação do senador com o caso.

Cercado de aliados – dentre os quais, coordenadores de movimentos de esquerda, como MTST, MST e CUT- Lula disse que lutou pelo fortalecimento das instituições. “Não se pode permitir que meia dúzia estrague o histórico de uma instituição tão importante, que ajudei a construir na Constituição de 88.”

Sem se referir diretamente a ninguém, Lula disse conhecer “muita gente que tenta conquistar cinco minutos de glória com a carinha na TV”. “A desgraça de quem conta a primeira mentira é que tem que mentir sempre”, disse, cobrando “desculpas ao Lula”. “Não é feio. Peço sempre. A palavra desculpa é nobre, mas não continue tentando inventar coisas para justificar mentira.”

Pedido

O ex-presidente apresentou ontem ao Conselho Nacional do Ministério Público pedido de providências contra procuradores da força-tarefa da Lava Jato no Paraná. O conselho, presidido pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, fiscaliza e julga condutas dos membros do Ministério Público.

A peça assinada pelos advogados de Lula diz que os procuradores Deltan Dallagnol, Julio Noronha e Roberson Pozzobon promoveram “um verdadeiro espetáculo com o intuito de enxovalhar a imagem” do ex-presidente.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*