Política-ABC, Ribeirão Pires, Sua região

Kiko anuncia 15 secretários; demais nomes saem em janeiro

O prefeito eleito em Ribeirão Pires, Adler Teixeira, o Kiko (PSB), anunciou ontem (28) os titulares de 15 das 21 secretarias que integrarão a próxima administração. Além de nomes ligados à gestão do ex-prefeito Clóvis Volpi (PSDB), Kiko também confirmou o ex-postulante ao governo de Diadema, Taka Yamauchi (PSD), como chefe da pasta de Obras, além de Diego Manera como secretário de Infraestrutura Urbana.

Também foram oficializados no primeiro escalão Paulo de Tarso (Governo), Marcelo Menato (Desenvolvimento Econômico), Aliz Dota (Assuntos Jurídicos); Adriano Campos (Administração e Modernização), Antônia Constâncio (Finanças), Flávia Banwart (Educação, Inclusão, Cultura e Tecnologia), com Robson Miguel como adjunto de Cultura; Sargento Adão (Transporte e Trânsito), Elza Iwazaki (Assistência Social), Professora Elzinha (Política Comunitária e Institucional), Eduardo Nogueira (Planejamento Administrativo); Ricardo Carajeleascow (Saúde e Higiene), Rogério do Carmo (Desenvolvimento Urbano e Habitação).

De acordo com Kiko, “capacidade, competência técnica e conhecimento sobre os problemas da cidade” foram critérios para escolha dos nomes. Os demais nomes deverão ser anunciados no próximo dia 2.

Corte de secretarias 

Ao contrário dos demais chefes do Executivo da região, Kiko rechaçou corte de secretarias como forma de contenção de gastos. De acordo com o pessebista, seria “imprudente” alterar a estrutura da administração sem as informações sobre a situação financeira da cidade.

“Neste primeiro momento vamos entrar com o formato que está colocado e depois faremos a reforma administrativa. Seria contraproducente fazer mudanças, sendo que não sabemos a situação que a gente vai encontrar. Toda a informação que chegou para nós veio distorcida”, disse.

Sem transição, o prefeito eleito tem buscado formas “alternativas” de se inteirar sobre a situação financeira da cidade, obtendo dados junto a órgãos oficiais, como Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Controladoria Geral da União (CGU). “Temos algumas pistas sobre os problemas da cidade, mas a certeza só teremos quando a gente assumir. Creio que em três meses a gente terá o desenho fiel da situação da prefeitura.”

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*