Política-ABC, Santo André, Sua região

Justiça nega anulação da dívida do Semasa com a Sabesp

Autarquia aguarda desfecho da investigação aberta pelo Cade. Foto: Arquivo

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) negou recurso apresentado pelo Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André (Semasa), que requereu na Justiça a anulação das faturas de cobrança de dívida de R$ 3,2 bilhões pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Na apelação, o Semasa alega que o passivo deveria ser cobrado diretamente dos consumidores de água. Em nota, os advogados da autarquia informaram que vão recorrer da decisão.

“Descabida a alegação da autarquia, no sentido de que caberá aos munícipes efetuar o pagamento diretamente para a fornecedora estadual, já que a empresa municipal efetua a cobrança diretamente dos usuários, recebendo a contraprestação respectiva sem fazer o repasse. Relação que perdura por décadas sem existência de contrato escrito, o que não autoriza o afastamento da responsabilidade pelo pagamento”, informou o acórdão.

No documento, a relatora Maria Lúcia Pizzotti expôs ainda que a disputa em torno do valor da dívida se arrasta desde a década de 1990 – durante o governo do Celso Daniel – e que, atualmente, 90% da água fornecida aos usuários andreenses é comprada no atacado da Sabesp, ficando o Semasa responsável por apenas 10% do provimento.

“Com isso, a Sabesp passou a cobrar a autora, mediante a emissão de faturas, afinal, é ela quem recebe toda a quantidade de água que será posteriormente repassada para os usuários. A autora, entretanto, se nega a efetuar os pagamentos, sob o argumento de que serão os usuários os destinatários do serviço, razão pela qual é deles que deve ser cobrada a quantia”, relatou Pizzotti.

Vai recorrer 

Por meio de seus advogados, o Semasa informou que vai recorrer do acórdão, uma vez que a decisão teria desrespeitado legislação federal. O advogado Wladimir Antonio Ribeiro, que cuida do caso, criticou ainda a insinuação de que a autarquia não teria pago nenhum valor à Sabesp.

“Como sabido, o Semasa paga à Sabesp. A controvérsia é apenas sobre o valor da tarifa”, informou. Em 2015, a prefeitura de Santo André afirmou ter reservado R$ 105 milhões de seu orçamento para pagamento do passivo, enquanto em 2016, o valor empenhado foi de R$ 185 milhões.

A defesa afirmou ainda que aguarda desfecho do processo de investigação sobre o valor da tarifa aberto no ano passado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). “Caso a Sabesp venha a ser condenada pelo Cade, o acórdão publicado perde seu efeito, porque suas premissas de fato serão totalmente alteradas, já que a Sabesp terá de indenizar o Semasa pelos prejuízos provocados pelo abuso de seu poder de monopólio.”

um comentário

  1. Um tanto eleitoreira essa decisão, ainda mais sabendo do processo que está rolando no CADE.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*