Economia, Notícias

Juro do cheque especial sobe um ano após ‘pacto’ de bancos que prometia redução

Juro do cheque especial sobe um ano após ‘pacto’ de bancos que prometia reduçãoUm ano após a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) anunciar medidas para reduzir o custo do cheque especial para o brasileiro, a taxa de juros des­ta modalidade de crédito segue em alta. Dados divulgados, ontem (26), pelo Banco Central mostram que, em junho, o juro médio do cheque especial estava de 322,2% ao ano. No mesmo mês de 2018, antes de as medidas serem implementadas, a taxa estava em 304,9%.

Desde julho do ano passado, os bancos oferecem parcelamento para quem tem dívidas no cheque especial. A opção vale para débitos superiores a R$ 200, desde que o cliente tenha utilizado mais de 15% do limite do cheque especial durante 30 dias seguidos.

Na época, a Febraban defendeu a migração para linhas mais baratas como forma de acelerar a tendência de queda do juro cobrado no cheque especial, o que não ocorreu. Ao contrário, houve alta de 17,3 pontos porcentuais do juro médio da modalidade no período de um ano.

Na prática, uma dívida de R$ 5 mil no cheque especial transforma-se, em um mês, em um compromisso de R$ 5.640, considerando o juro médio de 322,2% ao ano. Essa é a linha de crédito mais cara do mercado.

O custo do cheque especial equivale a 14 vezes o juro do crédito consignado, uma das modalidades mais baratas do mercado. Em junho, o juro médio do consignado esteve em 22,8% ao ano. Para os servidores públicos, a taxa é ain­da menor, de 20,8% ao ano.

“O crédito consignado se destina a financiar a expansão de consumo das famílias, enquanto o cheque especial se propõe a financiar alguma emergência”, comentou o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha. “O cheque especial é uma modalidade a ser evitada. Os custos são muito elevados.”

A Febraban reconheceu que, no período, a taxa do cheque especial teve elevação. Em um levantamento feito com 12 bancos, “que representam cerca de 90% do mercado brasileiro do produto”, a Febraban informou que os juros do cheque especial “subiram de 12,2% ao mês para 12,46% ao mês” (298,03% ao ano para 309,24% ao ano).

Entre as modalidades mais caras, também merece desta­que o rotativo do cartão de crédito. No caso do rotativo regular – que considera ope­rações em que houve o pagamento mínimo da fatura –, o juro médio atingiu 277,2% ao ano em junho, conforme os números do BC. Um ano antes, em junho de 2018, a taxa estava em 261,1% ao ano.

Apesar dos custos proibi­tivos, o BC mostrou que, na passagem entre maio e ju­nho, houve alta de 0,4% no saldo das operações de crédito no país, para R$ 3,3 trilhões.

CALOTE

A inadimplência do crédito, considerados atrasos aci­ma de 90 dias, ficou estável em 4,8% para pessoas físicas entre maio e junho. No caso das pessoas jurídicas, o indicador ficou em 2,6 %, com queda de 0,1 ponto percentual.

Os dados referem-se ao cré­dito livre, no qual os bancos têm autonomia para emprestar o dinheiro captado no mercado e de­finir as taxas de juros cobradas dos clientes. (AE/ABr)

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*