Política-ABC, São Caetano do Sul, Sua região

José Auricchio nega conhecimento de doação considerada suspeita pelo TRE

Vidoski e Auricchio foram diplomados pela Justiça Eleitoral. Foto: Eberly Laurindo

O prefeito eleito em São Caetano, José Auricchio Junior (PSDB), negou, ontem (16), ter conhecimento da origem dos R$ 293 mil recebidos em doação de campanha em nome de Ana Maria Coparini. De acordo com a juíza Tania Mara Ahualli, do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), o valor destinado à campanha do tucano é considerado “suspeito” de irregularidades, uma vez que a doadora não teria “capacidade financeira” para efetuar a transferência.

“Não a conheço (Coparini). O recebimento de doações responsabilidade do contador da campanha. Quando se recebe doação, o doador assina um termo de responsabilidade. A doação foi feita ao diretório municipal, através do contador da campanha, mas nossas contas seguiram todo o rigor da lei e foram aprovadas”, sustentou Auricchio. Além do prefeito eleito, dois candidatos a vereador receberam valores da mesma doadora durante a campanha: Irineu Luiz (R$ 57 mil) e Roberto Vagner (R$ 39,5 mil), ambos do PSDB.

O caso veio à tona nesta semana após a Justiça Eleitoral rejeitar as contas de campanha do vereador eleito na Capital, Camilo Cistófaro (PSB), que também recebeu R$ 6 mil de Coparini. A juíza do TER-SP chegou a pedir a abertura de inquérito policial para apurar as contas do vereador e determinou que os autos do processo sejam enviados à Justiça Eleitoral de São Caetano para possível investigação das contas dos candidatos tucanos da cidade.

“Mesmo que a doadora, contrariamente ao que indica os documentos fiscais, receba o valor mensal de R$ 40 mil, consignado e não comprovado pelo candidato, isto ensejaria em uma renda anual de R$520 mil, computando-se o 13º salário, porém a doadora realizou doações a quatro candidatos, perfazendo um total de R$395.563,33, ou seja, montante totalmente incompatível com os eventuais rendimentos propalados pelo interessado, indicando a existência de fortes indícios de que a doação estaria maculada por eventuais fraudes ou ilicitudes”, despachou a magistrada, após quebra de sigilo bancário da doadora.

Diplomação

Caso instaurada, a investigação deverá ser iniciada apenas após a posse de Auricchio, em janeiro. Ontem (16), o tucano foi diplomado pelo Justiça Eleitoral, ao lado de seu vice-prefeito Beto Vidoski (PSDB) e dos 19 vereadores eleitos para a próxima legislatura, em cerimônia que ocorreu no Fórum. Na ocasião, o prefeito afirmou que após dois mandatos à frente do Palácio da Cerâmica, está mais “experiente” e “maduro” para comandar a cidade no “momento crítico” em que se encontra. “Vamos fazer disso um instrumento de melhoria da vida das pessoas”, disse.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*