Brasil, Editorias, Notícias

IDH para de avançar e país mantém 79º lugar na lista

Foto: Arquivo

O Brasil deixou de avançar no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) em 2015, mantendo o mesmo indicador e posição no ranking global se comparado ao ano anterior.

Entre 188 países avaliados, o relatório das Nações Unidas divulgado nesta terça (21) coloca o Brasil na 79ª posição, a mesma de 2014, e ao lado da ilha caribenha de Granada.

Essa é a primeira interrupção na alta do IDH brasileiro desde 2004. O índice, elaborado com base em dados de saúde, escolaridade e renda da população, vinha crescendo desde então –com aumento de 8,6% no período

Quanto mais próximo de 1 estiver o IDH, melhor o desenvolvimento –em 2015, o IDH brasileiro foi de 0,754, o mesmo do ano anterior.

O número leva em consideração uma expectativa de vida no país de 74,7 anos, 15,2 anos esperados de escolaridade, média de estudo de 7,8 anos (para população acima de 25 anos) e renda nacional bruta per capita de US$ 14.145.

Em comparação ao restante do mundo, o Brasil se coloca em um grupo de 16 países que mantiveram o mesmo IDH. Outros 159 aumentaram e 13 diminuíram.

“É uma luz amarela, um alerta para olhar e ver o que precisa ser feito”, afirma a coordenadora do Atlas do Desenvolvimento do Pnud no Brasil, Andrea Bolzon. Para ela, os dados preocupam. “Se olharmos a série histórica, vemos um aumento ininterrupto. O que aconteceu que paramos de crescer?”, questiona.

Segundo Bolzon, para 2016, a previsão até o momento é que não haja melhora no índice. “Esses dados são de 2015 e os dados de 2016 já sabemos que são ruins, devido à retração econômica. É difícil prever, mas certamente uma melhora significativa está fora de questão.”

Embora neste ano a metodologia tenha se mantido a mesma da análise anterior, a atualização das bases de dados dos países fez com que as posições no ranking fossem recalculadas–com isso, o Brasil, que inicialmente ocupava a 75ª posição no relatório em 2014, passou a ocupar a 79ª após revisão dos dados.

Em comparação aos demais países da América do Sul, o Brasil ocupa a 5° posição, ficando atrás do Chile, Argentina, Uruguai e Venezuela. Já em relação aos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), fica na 2° posição, atrás apenas da Rússia.

Em nota, o Palácio do Planalto disse que os dados ilustram a “severidade da crise da qual apenas agora o país vai saindo” e que as transformações do governo Temer farão com que nas próximas edições do IDH o Brasil tenha melhores posições.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*