Economia, Notícias

Horário de verão pode voltar se maioria quiser, diz Bolsonaro

Horário de verão pode voltar se maioria quiser, diz Bolsonaro
Bolsonaro: “Se a maioria da população quiser a volta, eu posso fazer isso aí.” Foto: Arquivo

O presidente Jair Bolso­naro (sem partido) sinalizou on­tem (2), pela primeira vez, que pode voltar a implementar o horário de verão para lidar com a crise hídrica do país. Em entrevista à Rádio ABC, de Novo Hamburgo (RS), afirmou que, mesmo sendo contra a medida, se a população mudar de opinião sobre o tema, ele “segue a maioria” “Se a maioria da população quiser a volta, eu posso fazer isso aí.”

Bolsonaro disse que vai falar com uma rádio que “ouve quase sempre” para que a emissora faça uma pesquisa com seus ouvintes e veja a “vontade popular” em relação ao tema, e sugeriu que a rádio local de Novo Hamburgo faça a mesma coisa. Segundo o presidente, a falta de apoio popular seria um dos motivos que pesam contra a retomada da medida, já que, até o momento, ele vê que a maioria da po­pulação continuaria contrária à implementação do horário de verão. “No momento, não hã clima, apoio popular, para voltar o horário de verão.”

O horário de verão foi extinto por Bolsonaro em abril de 2019. O estudo usado co­mo argumento pelo gover­no apontava que mudanças nos hábitos do consumidor e o avanço da tecnologia reduziram a economia de energia ao longo dos anos, principalmente pela popularização dos aparelhos de ar-condicionado.

A declaração do presidente vem logo após o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmar que não havia nenhum movimento para o retorno da medida. Porém, pressionado pela crise hídrica e por diversos setores produtivos, o governo decidiu reava­liar os impactos da medida e pediu ao Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) que atualizasse os estudos sobre o tema.

Para o coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (Gesel) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Nivalde de Castro, a decisão não po­de ter caráter “populista”. “Para nós, tra­ta-se de questão técnica.”

Print Friendly, PDF & Email

Deixe eu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*