Economia, Notícias

Grob anuncia ampliação de fábrica em São Bernardo

Grob emprega mais de 700 trabalhadores e faturou € 97 milhões em 2015. Foto: DivulgaçãoExecutivos da Grob, de São Bernardo, anunciaram ontem (23) ao prefeito Orlando Morando (PSDB), em visita ao Paço, a ampliação de sua fábrica, que produz centros de usinagem e linhas de montagem para o setor automotivo.

A empresa – que completou 60 anos de atuação no ano passado – vai expandir sua produção para galpão que pertenceu à Fris Moldu Car, metalúrgica que faliu há nove anos. Localizado ao lado da fábrica da Grob, o imóvel foi arrematado em 2015 por R$ 28,8 milhões, dinheiro que foi usado para o pagamento de direitos tra­balhistas de ex-funcionários da indústria fechada.

Com a ampliação, a fábrica da Grob saltará dos atuais 62 mil metros quadrados para mais de 80 mil metros quadrados. Além da produção, o novo espaço abrigará área logística. A companhia pos­sui mais de 700 funcionários, dos quais 60% residem no município.

O investimento total na ampliação não foi divulgado. Em 2015, a operação brasileira da Grob faturou € 97 milhões. Para o ano passado, a expectativa era de crescimento de 5%.

“(Trata-se) uma de boa notícia em período de crise, que vai criar mais postos de trabalho para a cidade. A administração sempre se colocou à disposição, como agente facilitador, para novos negócios, empregos e renda”, destacou Morando.

Participaram do encontro no Paço o presidente da em­presa, Michael Bauer; o gerente financeiro Demerval José dos Passos e o se­cretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Hiroyuki Minami.

Desde o início da atual gestão, duas empresas – Novemp e M.Shimizu – anunciaram a mudança de suas operações para São Bernardo.

Incentivos

Com o objetivo de estimular a economia da cidade, a prefeitura estuda alterações na lei de incentivos fiscais seletivos atualmente em vigor no município. Por meio da redução de im­postos, a administração espera atrair novas empresas e manter as que es­tão instaladas na cidade.

A crise res­sus­citou o fantasma da de­­sindustrialização, que havia assom­brado o ABC na década de 1990. Em São Bernardo, empresas como Mangels, Yo­ki, Rolls-Royce, Kar­mann-Ghia, ABR e P&G encerraram ou transferiram suas atividades nos últimos três anos. O anúncio mais recente foi o da Panex.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*