Copa América, Esportes

Governo não garante Copa América no Brasil: ‘Não tem nada certo’

Governo não garante Copa América no Brasil: 'Não tem nada certo'
Ministro disse que Copa América no Brasil ainda está em negociação. Foto: Marcelo Camargo/ABr

O ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, afirmou nesta segunda-feira (31) que a condição estabelecida pelo governo brasileiro para o Brasil sediar a Copa América deste ano é de que os jogos aconteçam sem torcedores nos estádios e que todos os integrantes das delegações sejam vacinados. Em entrevista no Palácio do Planalto, Ramos não deu como certo que o país vai receber a competição.

“Caso se realize (a Copa América no Brasil), não terá público. No momento são dez times. Foi acordado com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) em reunião por videoconferência de no máximo 65 pessoas por delegação. Todos vacinados. Foi a condição que nós tratamos com a CBF”, disse o ministro.

Segundo Ramos, apesar de a própria Confederação Sul-americana de Futebol (Conmebol), entidade responsável pelo torneio de seleções, ter anunciado o Brasil como sede, ainda não há definição. “Não tem nada certo. Quero pontuar de forma bem clara: estamos no meio de um processo, mas não vamos nos furtar a uma demanda caso seja possível de atender”, disse o ministro da Casa Civil.

A transferência do evento para o país foi anunciada após Colômbia e Argentina desistirem de recebê-lo. O Brasil foi escolhido com o argumento de ter estádios em boas condições de uso, apesar de alguns estarem ociosos após a Copa do Mundo de 2014. A CBF se ofereceu.

O anúncio gerou críticas por acontecer em meio a pandemia de covid-19. Ao longo do dia, governadores rejeitaram a possibilidade de receber jogos da competição em seus Estados. Rio Grande do Sul, Pernambuco e Rio Grande do Norte já alegaram não ter condições de receber um evento desse porte em meio à pandemia do novo coronavírus.

O ministro da Casa Civil respondeu às críticas: “Por que o Brasil vai sediar a Copa América durante uma pandemia? Senhores, primeiro porque foi uma demanda via CBF da Conmebol. Outra coisa: estamos em plena pandemia, situação difícil, mas o Campeonato Brasileiro envolve 20 times na Série A e 20 times na Série B. Ou seja, estão ocorrendo jogos em todo o Brasil”, disse o general.

O vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apresentou requerimento para que o colegiado convoque o presidente da CBF, Rogério Caboclo, a fim de explicar a realização do evento. A iniciativa é apoiada pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI, que afirmou ao Estadão que vai se esforçar para que seja aprovada.

A Argentina abriu mão do torneio depois de a Conmebol não aceitar as exigências feitas pelas autoridades sanitárias, que eram muito parecidas com as feitas pelo Brasil. Entre as reivindicações do governo argentino estava a redução do número de integrantes das delegações. As dez seleções participantes levariam entre 1 mil e 1,2 pessoas ao país. Também foi pedido que as delegações vacinassem seus membros com ao menos uma dose, além da adoção de rígidos protocolos em meio ao aumento de casos de covid-19 no país.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*