Copa do mundo, Esportes

Fora do campo, Argentina vive caos permanente

Presidente Mauricio Macri já foi dirigente do Boca Juniors. Foto: ArquivoO risco de ficar fora da Copa do Mundo mesmo tendo o melhor jogador do planeta é apenas um dos problemas vividos pelo futebol argentino. A sexta colocação nas Eliminatórias expõe um esporte em crise, com disputa de poder e dinheiro e caos administrativo.

A AFA, entidade que é dona da seleção e também organiza os campeonatos locais, está sob intervenção da Fifa desde junho. Nos últimos meses, o futebol do país teve greve de clubes, uma eleição cancelada, ameaça de intervenção judicial e dezenas de acusações de casos de corrupção e desvio de dinheiro.

O caos eclodiu após a saída de Julio Grondona, em 2014. Durante 35 anos, o cartola chamado por rivais e aliados de “Don Julio”, comandou com mão de ferro o futebol do país. Para se ter uma ideia do seu domínio, em oito eleições que disputou em 35 anos, teve apenas um voto contrário.

Em 1991, ex-árbitro argentino Teodoro Nitti concorreu e teve um único voto: o seu. Virou folclore o anel que Grondona usava com os dizeres “Todo pasa” (tudo passa). A piada era que só a permanência do caudilho no poder é que não respeitava a regra.

“O que está acontece agora é que os problemas que existiam há mais de 30 anos apareceram”, disse o ex-juiz Mariano Bergés, presidente da ONG “Salvemos al Fútbol”. “Dizer que agora é pior é dizer que com Grondona era melhor. Não. Tudo que está aqui é o que deixou”, completou.

Grondona morreu em 2014, antes do escândalo da Fifa, que resultou na prisão de dirigentes da entidade em maio de 2015. Seu nome estava entre os acusados da investigação americana de desvios em contratos das federações.

Eleição empatada

A AFA tenta organizar uma eleição. A última foi realizada em dezembro de 2015. Eram 75 eleitores e a contagem indicou 38 votos para o então presidente Luis Segura e 38 para o apresentador de TV Marcelo Tinelli. Ninguém soube explicar o que houve e o pleito foi cancelado.

A crise institucional chegou à Casa Rosada, sede do governo argentino. Ex-presidente do Boca Juniors, Mauricio Macri segue de perto a disputa entre os cartolas.

“A Fifa vai negar, mas essa intervenção é negociada com o governo federal. Aqui não se toma nenhuma decisão no futebol sem consultar a Macri (presidente)”, afirmou o jornalista Sergio Levinsky, autor do livro “El Fútbol Passa. Los Negócios Quedan”.
Além do passado boleiro de Macri, o governo tem interesses comerciais com os clubes do país. Durante o governo de Cristina Kirchner, a televisão pública comprou os direitos de transmissão do Campeonato Argentino.

Os valores do contrato da TV eram pagos aos clubes com cheques pré-datados. Para receber o dinheiro na hora, dirigentes precisavam retirá-lo em uma casa de câmbio indicada pelo governo que descontava 40% do valor total. O negócio é investigado pelas autoridades do país.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*