Esportes, Paulistão

Federação diz que vídeo não prova interferência externa

Em nota divulgada ontem (11), a Federação Paulista de Futebol (FPF) afirma que as imagens apresentadas pelo Palmeiras mostrando o chefe de arbitragem da entidade, Dionísio Roberto Domingos, à beira do campo na final do Estadual “não provam nenhuma interferência externa na decisão dos árbitros.”

O texto é mais um capítulo da confusão envolvendo o clássico entre Palmeiras e Corinthians, no último domingo, que decidiu o Paulistão. O Corinthians venceu por 1 a 0 no tempo normal e foi campeão nos pênaltis.

O alviverde jogava pelo em­pate para ficar com o título.

O clube divulgou vídeo do circuito interno do estádio que mostra Domingos à beira do campo assim que o árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza marcou pênalti para os donos da casa, cometido por Ralf sobre Dudu. As imagens da TV mostraram que a falta não aconteceu. O chefe da arbitragem se aproxima do bandeira e parece dizer alguma coisa. Pouco depois, o quarto árbitro Adriano de Assis Miranda o avisa de que a penalidade não havia acontecido. Ribeiro de Souza voltou atrás na marcação.

O Palmeiras quer que a partida seja anulada porque qualquer conversa entre Domingos e integrante da arbitragem seria influência externa. Em entrevista à Folha de S.Paulo, Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza negou que isso tenha acontecido.

“Como responsável pela avaliação da equipe de arbitragem, Dionísio Roberto Domingo estava legitimado a permanecer no entorno do gramado, onde ficou durante a partida inteira. Nem ele nem nenhum diretor teve qualquer influência na decisão da equipe de arbitragem. As imagens veiculadas pelo Palmeiras não provam interferência externa na decisão dos árbitros de voltar atrás na marcação do pênalti inexistente”, diz a nota.

O Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP) marcou para o dia 23 audiência a fim de ouvir os envolvidos na confusão.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*