Economia, Família & finanças

Família&Finanças: As contas de início do ano estão chegando…

Família & Finanças
Sérgio Biagioni Junior

Por Sérgio Biagioni Junior

Caro(a) leitor(a), nem bem terminamos de desmontar a árvore de Natal e limpar a casa depois do Réveillon, e elas já batem a nossa porta: as contas do início de ano, pesadelo de milhões de famílias brasileiras.

Normalmente, o conjunto de despesas inclui IPTU, IPVA, gastos escolares (rematrícula, material didático e uniformes) e, claro, as dívidas feitas no final do ano anterior.

Parece que o mundo vai desabar na forma de boletos bancários sobre nossas cabeças. Então, já que não temos como escapar dessas despesas, temos de nos preparar durante todo o ano, para que impactem o mínimo possível nossas emoções e finanças.

Como são despesas anuais recorrentes, o importante é se planejar. Quer um exemplo? Sabendo o montante que essas contas representam, divida-o por 12 e guarde mensalmente 1/12 (um doze avos) do valor – para que, no final do ano, você tenha poupado o equivalente ao total das despesas.

Outra dica: use seu 13º salário de maneira estratégica, evitando gastá-lo só em consumo e resistindo às tentações de final de ano.

Algumas pessoas têm condições de auferir renda extra, conseguindo serviços temporários, produzindo artigos de Natal ou mesmo vendendo alimentos produzidos em casa.

Uma estratégia que pode ser usada nesses períodos é a utilização de parte da reserva emergencial familiar para liquidar à vista as contas de início de ano. Porém, a disciplina precisa ser grande para repor todo o valor utilizado. Sem dúvida é uma estratégia de risco.

Muito importante também é avaliar as prioridades familiares, direcionando recursos para suprir gastos essenciais e indispensáveis à família.

Portanto, quem acompanha esta coluna tem conhecimento de que o planejamento financeiro familiar e pessoal é, sem dúvida, fundamental para que essas despesas sejam superadas com maior tranquilidade, de forma estruturada, sem causar desequilíbrio nas contas da família ou mesmo obrigá-la a recorrer a recursos de terceiros.

Pense nisso.

Se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto, envie uma mensagem que te explico. Meu e-mail é falandofacil123@gmail.com e meu site é o www.sergiobiagioni.com.br.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*