Arte & Lazer, Teatro

Espetáculo Quem Prospera sempre Alcança chega ao ABC

Com texto e direção de Leonardo Cortez, peça aborda de forma humorada conceitos de empreendedorismo e planejamento financeiro. Foto: Divulgação
Com texto e direção de Leonardo Cortez, peça aborda de forma humorada conceitos de empreendedorismo e planejamento financeiro. Foto: Divulgação

Depois de 52 apresentações em 11 cidades de dez estados brasileiros, com um público de mais de 9 mil pessoas, o espetáculo Quem Prospera Sempre Alcança chega ao ABC com apresentações gratuitas em Diadema, São Bernardo e Santo André. A peça, que aborda a determinação dos brasileiros em encontrar novas opções de trabalho por conta própria, ganha novos tons em tempos de pandemia com grande parte da população lançando mão da criatividade para seguir trabalhando.

Leonardo Cortez assina a dramaturgia e a direção e os atores André Santos e Djair Guilherme se revezam em 11 diferentes personagens. A montagem, que já passou por São Vicente, Caruaru e Belém, segue virtualmente pelas cidades de Manaus (AM), Anápolis (GO), Teresina (PI), Cascavel (PR), Petrópolis (RJ), Pelotas (RS) e São Paulo, Diadema e Itaquaquecetuba (SP) e terá mais apresentações nas cidades do ABC, que ain­da serão confirmadas.

Patrocinada pela Visa, por meio da Lei Fede­ral de Incentivo à Cultura da Secretaria Especial da Cultura, do governo federal, a temporada 2020 do espetáculo será apresentada em 15 cidades, sendo que a cada apresentação o elenco realiza um bate-papo virtual com a plateia.

A PEÇA

Quem Prospera Sempre Alcança começa com a entrada de dois técnicos de uma companhia tea­tral encarregados de montar o palco para a apresentação que será feita no local. Eles fazem às vezes de operários e mestres de cerimônia e evocam situações sobre empreendedorismo a partir de quatro histórias. A primeira história é a da própria companhia teatral. Na segunda, duas fãs de uma dupla sertaneja decidem, no meio da fila para entrar no show, como vão gastar o dinheiro que juntaram com muito sacrifício. Já na terceira, dois desempregados decidem empreender como vendedores ambulantes e entram em uma atrapalhada sociedade e na última, um falido dono de boteco recebe a visita de uma inusitada fada-madrinha.

O autor e diretor Leonardo Cortez explica que o espetáculo não tem a pretensão de ser didático, mas apresenta, com muito humor, situações e ciladas que qualquer um pode se meter por conta da inexperiência nos negócios e na vida pessoal. “O espetáculo é anterior a pandemia e devido ao cenário econômico já dialogava muito com o público. Agora, que a situação piorou, acredito que falar de empreendedorismo e educação financeira pode ser um alerta para algumas armadilhas.”

A encenação busca as raízes do teatro popular, do circo-teatro e da comédia de costumes. “Artisticamente, pesquisei sobre a linguagem teatral do espetáculo de rua, me debruçando sobre a obra de Dario Fo e os trabalhos da Cia. La Mínima”, acrescenta o autor e diretor.

Leonardo conta, ainda, que com a interrupção das apresentações presenciais devido a pandemia, o espetáculo migrou para o online sem perder as características originais. “Fizemos vá­rios testes e ensaios para que a qualidade técnica fosse a melhor possível. Serão três câmeras com cortes e edição ao vivo, além de uma iluminação especial no palco”, enfatiza.

DEMOCRATIZAÇÃO

Já a diretora de produção Sonia Kavantan, da Kavantan Projetos e Eventos Culturais acre­dita que os espetáculos virtuais também são uma forma de democratizar o acesso à cultura, pois as apresentações podem ser vistas remotamente em qualquer lugar do mundo.

“Na Visa, continuamos focados em trazer educação financeira gratuita e de qualidade para os micro e pequenos empreendedores de todo o país”, afirma Sabrina Sciama, diretora de Comunicação Corporativa da Visa do Brasil. “Além do patrocínio da peça, construímos durante a pandemia o portal de apoio ao movimento #compredopequeno no Vai de Visa, que permite aos donos de pequenos negócios aprenderem como criar suas lojas online”, pontua a executiva.

Os atores André Santos e Djair Guilherme dão vida a 11 personagens diferentes. A cada cena, novos personagens são evocados pelos dois atores a partir do uso de figurinos e acessórios numa estética que remete ao circo.

André Santos conta que levar o espetáculo da rua para o online é um grande desafio, mas a cada ensaio ele aprende como ficar mais próximo do público. “Penso na câmera como o público e por conta disso interajo mais com ela. A arte é como água descendo um morro, encontra atalhos, pula obstáculos e chega no destino final de qualquer forma.” Já Djair Guilherme acredita que a experiência adquirida nas sessões em 2019 facilitou para as exibições virtuais. “As 52 apresentações do ano passado ajudaram a fazer o espetáculo em qualquer situação adversa”, afirma o ator.

Serviço – Diadema; dia 4 de novembro (quarta-feira), às 20h
São Bernardo, dia 5 de novembro, às 20h
Santo André, dia 6 de novembro, 20h
Facebook e Instagram – @quemprospera. Gratuito.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*